Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Correios ameaçam descontar dias parados de quem aderir à greve

BRASÍLIA - A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos divulgou ontem comunicado em que informa que vai descontar os dias parados do funcionários que aderirem à greve. A paralisação foi decidida por trabalhadores dos Correios, em vários estados, na madrugada de terça-feira.

Valor Online |

Na nota, a empresa justifica que a decisão foi tomada visando a zelar pelo interesse da sociedade, se vê obrigada a adotar todas as medidas necessárias para a manutenção dos serviços, descontando os dias parados nos salários dos empregados que aderirem ao movimento grevista.

Segundo a direção do movimento em Brasília, a adesão é de 70% da área operacional, e a partir de hoje deverá subir para 80%. A área operacional compreende carteiros, atendentes, motoristas e operadores de triagem e transbordo, que selecionam a correspondência para distribuição aos destinatários.

Para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios no Distrito Federal (Sintec/DF), Moysés Leme da Silva Neto, a ameaça de descontar os dias parados é mais uma demonstração de truculência da direção da empresa.

Ele disse que a decisão não intimida dos trabalhadores, que vão continuar em greve até terem suas reivindicações atendidas: negociação de um Plano de Carreira, aumento do piso salarial de R$ 603,00 para R$ 1.119,00 e incorporação definitiva da gratificação de risco de 30% aos salários dos carteiros.

Moysés afirmou que essas reivindicações foram apresentadas ao presidente Lula, em reunião no Palácio do Planalto, realizada em novembro do ano passado. Segundo o sindicalista, na ocasião, o presidente chamou os ministros do Planejamento, Paulo Bernardo, e das Comunicações, Hélio Costa, e mandou que providenciassem o atendimento da pauta apresentada pelos empregados dos Correios.

Ainda de acordo com Moysés, depois disso, o presidente da empresa, Carlos Henrique Custódio, se recusa a cumprir o acordo.

Os Correios alegam, na nota, que a empresa em exaustivas negociações com representantes dos empregados, empenhou todos os esforços no sentido de atender as reivindicações dos trabalhadores, sem ferir a legislação vigente. Numa primeira etapa, pagou o valor pleiteado, a título de abono emergencial, a 43.988 empregados.

A empresa relatou ainda que implantou os adicionais de Atividade de Distribuição e Coleta e o de Atividade em Guichê de Agências de Correios, no valor fixo de R$ 260.

(Agência Brasil)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG