A nota divulgada anteriormente contém uma incorreção no título e no texto. A pontuação de fechamento do Ibovespa hoje (53.

527,0 pontos) é a menor desde 18 de agosto (53.326,5 pontos) e não desde 10 de setembro do ano passado (52.652,6 pontos). A seguir, a íntegra do texto corrigido:

Pela quarta sessão consecutiva, a Bovespa terminou em queda, terminando na menor pontuação desde o dia 18 de agosto passado. A fuga de investidores estrangeiros diante do agravamento dos temores de recessão global patrocinou uma venda generalizada de papéis, com poucas exceções no Ibovespa, principal índice.

O Ibovespa terminou em 53.527,0 pontos, o menor nível desde os 53.326,5 pontos de 18 de agosto de 2008. Recuou 1,61% e ampliou as perdas de agosto pra 3,87%. No ano, a queda é de 16,21%. O índice oscilou entre a mínima de 52.891 pontos (-2,78%) e a máxima de 55.241 pontos (+1,54%). O volume financeiro totalizou R$ 5,09 bilhões.

As ações da Vale foram destaque do pregão doméstico, liderando o giro individual. Uma notícia veiculada pela publicação especializada Steel Business Briefing informou que a mineradora brasileira teria conseguido promover um reajuste extra de 20% no preço do minério de ferro que vende para a China, fazendo as ações disparar. O Ibovespa conseguiu sustentar-se em alta numa parte do dia por conta destes ganhos, que ultrapassaram os 4%. À tarde, entretanto, a empresa desmentiu o aumento e as ações devolveram instantaneamente a alta, fechando em queda, de 0,48% as ON e 0,65% as PNA.

Tirando o efeito Vale, a Bovespa acompanhou o mercado internacional, com o agravamento dos temores de recessão global depois que a Europa divulgou indicadores fracos. O PIB da zona do euro registrou, pela primeira vez, retração. A queda no segundo trimestre ante o primeiro foi de 0,2%. Também desagradaram as vendas no varejo, que caíram o dobro do previsto em julho. Isso fortaleceu o dólar ante o euro e levou os investidores a se desfazerem de algumas matérias-primas (commodities). No caso do petróleo, o receio de enfraquecimento da demanda também ajudou a empurrar os preços para baixo. Na Bolsa Mercantil de Nova York, o petróleo cedeu 0,33%, para US$ 109,36 o barril.

Outra notícia ruim foi a de que o fundo de hedge Ospraie, um dos maiores do setor de commodities, entrou em colapso, alastrando as preocupações de que outras carteiras também sejam prejudicadas. O fundo perdeu 27% apenas em agosto.

No final da sessão, o índice norte-americano Dow Jones, no entanto, conseguiu reconquistar o terreno positivo e fechou em elevação de 0,14%. Também nas Bolsas de Nova York, o S&P recuou 0,20% e o Nasdaq perdeu 0,66%. O Livro Bege, sumário das condições econômicas norte-americanas, divulgado à tarde, não fez preço nos ativos, mas o dado de encomendas à indústria dos EUA, divulgado pela manhã, foi um contraponto positivo hoje. O indicador mostrou alta de 1,3% em julho, depois de elevação revisada de 2,1% em junho. Economistas previam aumento de 0,9%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.