Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Correa mantém expulsão da Odebrecht do Equador

O presidente do Equador, Rafael Correa, não recuou um milímetro em sua decisão de expulsar a construtora Norberto Odebrecht de seu país ao conversar reservadamente, ontem, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em entrevista à imprensa, ao final do encontro bilateral, Correa afirmou que os executivos da Odebrecht erraram ao imaginar que o Equador poderia regatear sua soberania ou até mesmo aceitar suas “pressões, violações e propinas”.

Agência Estado |

O tom nada diplomático de Correa desmontou a expectativa do Palácio do Planalto e do Itamaraty de que, passado o referendo sobre a nova Constituição do país, aprovada com ampla maioria no domingo, o governo equatoriano adotaria uma posição mais conciliadora sobre o impasse com a Odebrecht. Na última quinta-feira (dia 25), em Nova York, o próprio presidente Lula havia atribuído ao ambiente eleitoral a intransigência de Correa em relação à companhia brasileira.

"Em princípio, não vamos revogar nada. Mas veremos os novos elementos que estão na carta por meio da qual a Odebrecht aceitou todas as condições do governo equatoriano", afirmou Correa. "Em princípio, a Odebrecht está fora do país."

Correa decretou o embargo dos bens da Odebrecht na terça-feira da semana passada (dia 23), apenas cinco dias antes do referendo, sob a alegação de que a empresa não havia pago a indenização por graves danos estruturais na Hidrelétrica de San Francisco e por suspeita de prática de corrupção. Na ocasião, Correa afirmou que as obras da companhia brasileira no Equador teriam sido concluídas com "um terço da capacidade e com o triplo do custo". A empresa também teve suas obras no Equador ocupadas por forças militares e quatro de seus executivos foram proibidos de deixar o país. A Odebrecht está presente no Equador há 23 anos. Na véspera do referendo, Correa brandiu um documento que, supostamente, seria a carta na qual a Odebrecht teria acatado pagar indenização de US$ 43 milhões ao governo, além de US$ 200 mil por dia de inatividade da usina. Mas a empresa negou ter enviado tal correspondência. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG