Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Contribuição previdenciária incidirá sobre aviso prévio

BRASÍLIA - Em meio a um quadro de desemprego, devido à crise financeira internacional, o governo federal resolveu passar a cobrar contribuição previdenciária sobre o aviso prévio indenizado, concedido pelas empresas quando da demissão dos trabalhadores. A contribuição, que é paga tanto pelo empregador quanto pelo empregado, não era cobrada há 10 anos.

Agência Estado |

O decreto presidencial 6.727, de 12 de janeiro de 2009, no entanto, regulamentou novamente a cobrança da contribuição sobre o aviso prévio indenizado.

A incidência da contribuição passou a vigorar em 1997, com a lei 9.528. Mas o decreto presidencial 3.048, de 1999, que trata da Previdência Social, não contemplou a cobrança, que então deixou de ser paga.

Segundo o assessor técnico da subsecretaria de Tributação e Contencioso da Receita Federal, Sandro Serpa, a contribuição é devida. Nos trabalhos de harmonização da legislação previdenciária com a tributária, depois da unificação da Receita Federal do Brasil, foi identificado o problema.

Segundo ele, a decisão é técnica e "não tem nada a ver com o clima atual". Ele, porém, evitou fazer comentários sobre o impacto político e econômico da cobrança da contribuição neste momento em que o País vive um cenário de aumento do desemprego.

Ele disse ainda que o governo estuda a possibilidade de fazer a cobrança retroativa da contribuição relativa a cinco anos passados. "Essa é uma questão que está em estudo", disse.

O coordenador-geral substituto de Tributação da Receita, Othoniel Lucas, não soube explicar porque a falha na legislação só foi corrigida dez anos depois de publicado o decreto. Ele também não soube informar qual o impacto da medida na arrecadação tributária.

O decreto já foi publicado no Diário Oficial da União, há dois dias, e só agora teve explicação oficial da Receita Federal.

Leia tudo sobre: governo federal

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG