Tamanho do texto

SÃO PAULO - Os contratos futuros de petróleo tiveram forte baixa hoje pelo segundo dia seguido, com novos sinais de que a demanda mundial por combustíveis deve cair. A curva dos preços no mercado futuro da commodity, em que as cotações são bem mais elevadas nos contratos mais longos, também incentiva os produtores a estocar a produção, pressionando ainda mais o preço de curto prazo.

O contrato de WTI negociado para o mês de fevereiro fechou a US$ 38,98, com recuo de US$ 0,93. O vencimento para março declinou US$ 0,85, para US$ 42,03. Em Londres, o barril de Brent para o próximo fevereiro caiu US$ 1,08, para US$ 40,37. O contrato para o mês seguinte fechou a US$ 43,93, com desvalorização de US$ 1,18.

Entre as notícias que agentes citaram para justificar a previsão de queda na demanda esteve o anúncio de redução de 13,2% no preço de revenda das casas nos EUA em novembro de 2008, sobre igual mês de 2007. Segundo o economista chefe da Associação Nacional dos Corretores de Imóveis dos Estados Unidos, Lawrence Yun, esta provavelmente é maior queda já registrada desde a Grande Depressão.

Como a crise financeira atual se iniciou com a queda no preço das casas, a continuidade deste movimento seria um sinal de que as coisas ainda vão piorar antes de voltar ao normal.

(Valor Online, com agências internacionais)