Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Consumo de combustíveis perto do limite de produção

"Se houver necessidade de completar abastecimento com importação, será algo natural", diz diretor da Petrobras

Sabrina Lorenzi, iG Rio de Janeiro |

 

O crescimento da economia brasileira levou o consumo de combustíveis a chegar perto do limite de capacidade. As vendas de gasolina, diesel, óleo combustível, querosene de aviação, nafta, entre outros derivados de petróleo, somaram 1,85 milhões de barris por dia - mais de 92% da capacidade instalada de refino do País, de 2 milhões de barris diários. Com as paradas previstas das refinarias para manutenção, processo comum na indústria de refino, a apertada folga entre consumo e capacidade de refino tende a ser eliminada nos próximos meses.

"Se houver necessidade de completar o abastecimento de um produto ou outro com importação, será algo absolutamente natural", afirmou o diretor financeiro da Petrobras, Almir Barbassa, ao ser indagado sobre o limite de produção.

Selmy Yassuda
A produção de petróleo acompanha o consumo de combustíveis. Mas o refino não.

Barbassa reconheceu que a capacidade de refino está no limite, mas lembrou que os investimentos na expansão do segmento tendem a aliviar o País deste gargalo. O executivo destacou a entrada em operação, em breve, da refinaria Clara Camarão, no Rio grande do Norte. A capacidade, entretanto, é pequena, da ordem de 30 mil barris. Ele também lembrou que a Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, deve ficar pronta entre 2011 e 2012. O Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) também aumentará a capacidade de produção de derivados.

As vendas de combustíveis cresceram 15% no primeiro trimestre, refletindo o aquecimento da economia. O volume vendido de gasolina aumentou 25%, também por causa da escassez de etanol no início do ano. Já a alta de 12% nas vendas de diesel é atribuída ao desempenho da safra de graõs e das obras em infraestrutura. O consumo de querosene de aviação, por sua vez, aumentou 15%, e o de 4% no volume de gás de cozinha.

 

Leia tudo sobre: Petrobraspetróleocombustíveislucro

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG