Tamanho do texto

Garantia para correntistas e aplicadores e a imposição de freios para evitar que o Banco Central venha a estatizar instituições inadimplentes, ou evitar que possa aceitar moedas podres em troca da ajuda do governo, são algumas das emendas propostas por deputados e senadores à Medida Provisória 442, que criou um programa de socorro aos bancos. Editada na 2ª-feira, a MP - chamada de Proer do Lula - recebeu 34 emendas até às 18 h de ontem.

O prazo de sete dias para recebimento de propostas de alteração do texto terminaria domingo, mas foi ampliado para às 18h30 de 2ª-feira.

Para o senador Pedro Simon (PMDB-RS), o Congresso tem de tratar a MP de forma cautelosa para "não dar um cheque em branco ao governo". As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.