Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Congresso dos EUA nega cheque em branco a Bush

Os democratas apresentaram ontem uma versão do pacote de resgate de US$ 700 bilhões do sistema financeiro dos Estados Unidos. Para aprovar o projeto do secretário do Tesouro, Henry Paulson, senadores democratas querem que o governo receba ações dos bancos que venderem seus títulos podres ao Tesouro.

Agência Estado |

Também querem dar aos juízes poderes para modificar os termos dos financiamentos imobiliários inadimplentes para evitar que as pessoas percam suas casas.

A proposta foi apresentada pelo senador Christopher Dodd, líder do Comitê Bancário do Senado. Se aprovada, a lei daria ao governo participação acionária nos bancos incluídos no resgate. A proposta democrata ainda prevê limites à compensação dos executivos de bancos beneficiados e maior supervisão do Tesouro sobre o plano.

O projeto de Paulson permite ao Tesouro usar até US$ 700 bilhões para comprar dos bancos os títulos podres - lastreados em hipotecas inadimplentes, pouco líquidos e difíceis de avaliar - e, assim, descongelar o mercado de crédito.

Segundo o congressista Barney Frank, líder do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara, a Casa Branca concordou com a proposta de maior supervisão e ajuda aos mutuários. Mas parlamentares conservadores e muitos republicanos devem resistir a várias medidas propostas pelos democratas, o que pode atrasar a aprovação da lei no Congresso.

As instituições se opõem à hipótese de juízes modificarem os termos dos financiamentos das residências de uso próprio e à imposição de limites na remuneração de executivos. A proposta de Dodd também estabelece o dia 31 de dezembro de 2009 como a data-limite para os poderes especiais do Tesouro para comprar os títulos podres. Paulson reivindicava os poderes por dois anos a partir da data que entrasse em vigor a lei.

O governo não esperava tantas modificações na proposta e acredita na aprovação ainda nesta semana. A contra-proposta dos democratas mostra que a aprovação pode não ser tão fácil, apesar de o governo insistir na urgência. Ontem, o presidente George W, Bush pediu aos legisladores que resistam à tentação de adicionar medidas que podem reduzir a eficácia do plano. "O mundo inteiro está assistindo para ver se conseguimos agir rapidamente e evitar danos ao nosso mercado de capitais, nossa empresas, nosso setor imobiliário e previdência."

Mas os congressistas resistem a dar um cheque em branco ao Tesouro. "O governo Bush quer que o Congresso aprove sua legislação de resgate financeiro sem discussões para melhorá-la. Isso não vai acontecer", disse Harry Reid, líder democrata no Senado.

Hoje, haverá uma audiência no senado sobre o pacote, com depoimento de Paulson e do presidente do Fed, Ben Bernanke. Amanhã, os dois vão depor em uma audiência na Câmara.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG