Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Congresso dos EUA aprova pacote de US$ 787 bi

Washington, 13 fev (EFE).- O Congresso dos Estados Unidos aprovou hoje um plano de estímulo econômico de US$ 787 bilhões, depois que o Senado ratificasse o pacote com 60 votos a favor e 38 contra.

EFE |

Poucas horas antes, a Câmara dos Representantes havia aprovado o plano com 246 votos a favor e 183 votos contra, em sua maioria do Partido Republicano.

A medida, uma das prioridades da Casa Branca, vai agora às mãos do presidente Barack Obama para promulgação, possivelmente já na próxima segunda-feira.

A medida representa a intervenção mais extensa do Governo nos assuntos econômicos nacionais desde a Segunda Guerra Mundial e, além disso, é uma importante vitória legislativa para a batalha que a Casa branca trava contra a recessão.

A votação, que normalmente não dura mais que 15 minutos, se estendeu durante horas, até quase 2h (Brasília), de modo a dar tempo ao senador democrata Sherrod Brown para que retornasse a Washington para votar.

Brown havia ido ao estado de Ohio para o funeral de sua mãe.

Os democratas são 58 no Senado, incluindo os dois independentes que costumam votar com eles, e precisavam de um mínimo de 60 votos para impedir qualquer manobra republicana.

O pacote prevê a criação de pouco mais de três milhões de empregos e inclui cortes de impostos para famílias e negócios, fundos para programas sociais e obras públicas, e ajudas a Governos estaduais, estudantes e desempregados.

A legislação deixou ganhadores e perdedores, e um sabor amargo na boca dos republicanos, que o tacham de custoso e ineficaz e asseguram que elevará o déficit e a dívida nacional.

Perante pressões do setor exportador e dos parceiros comerciais dos EUA, o plano deixou de lado a controvertida cláusula Buy American que, salvo algumas exceções, exige o uso de ferro, aço e produtos manufaturados exclusivamente americanos em obras de infraestrutura feitas com fundos do pacote.

Segundo o texto definitivo, a cláusula será aplicada sem violar as normas do comércio internacional. EFE mp/rr

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG