Tamanho do texto

Rio de Janeiro, 25 nov (EFE).- O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) na economia brasileira caiu 15,2% em novembro em relação ao mesmo mês do ano passado e atingiu o pior nível em três anos, segundo um estudo divulgado hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O ICC foi o menor desde que o indicador começou a ser medido, em setembro de 2005, de acordo com a FGV.

O índice, que consulta mensalmente dois mil domicílios nas sete principais capitais brasileiras, foi de 96,9 pontos em novembro, frente a 101,1 pontos em outubro deste ano.

O ICC já tinha caído 10% em outubro em comparação com o mesmo mês de 2007 em conseqüência dos temores provocados no Brasil pela crise financeira internacional.

Segundo a FGV, a piora do indicador foi provocada tanto pelos temores do consumidor sobre a situação atual da economia quanto por sua expectativa para os próximos seis meses.

Tanto o índice da situação atual quanto o da futura ficaram em seus piores níveis desde setembro de 2005.

O Índice da Situação Atual caiu de 104 pontos em outubro para 98,1 pontos em novembro, e o Índice de Expectativas retrocedeu de 99,5 pontos para 96,2 pontos no mesmo período.

O estudo também detectou uma piora da avaliação do consumidor sobre a situação financeira da família e um menor ímpeto para as compras de bens duráveis nos próximos meses.

O percentual de consumidores que classificam a situação financeira de sua família como boa caiu de 20,6% em outubro para 17% em novembro, e os que a avaliam como ruim subiu de 13,9% para 16,1% no mesmo período.

A quantidade de brasileiros que pretendem aumentar suas compras de bens duráveis nos próximos seis meses diminuiu de 17,5% em outubro para 14,4% este mês, e os que pretendem reduzi-las avançou de 32,9% para 35,6% no mesmo período. EFE cm/wr/rr