O Índice de Confiança da Indústria (ICI), indicador-síntese da Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação, caiu 2,2% em setembro ante agosto, passando de 123 pontos no mês passado para 120,3 pontos este mês, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta terça-feira.

Acordo Ortográfico

O ICI é um indicador que utiliza para cálculo uma escala que vai de 0 a 200 pontos, sendo que o resultado do índice é de queda ou de elevação, se a pontuação total das respostas fica abaixo ou acima de 100 pontos, respectivamente.

Em comunicado, a FGV informou que "embora mantenha-se em patamar historicamente elevado, este é o menor índice dos últimos quatro meses, sinalizando uma diminuição do ritmo de atividade industrial em setembro".

A fundação também revisou o ICI referente ao mês passado. Em agosto, a FGV anunciou alta de 1,1% para o índice - mas no comunicado anunciado hoje, a instituição informou que houve alta de 0,9% para o desempenho do mês passado. Na comparação com setembro do ano passado, o ICI registrou queda de 1,9%.

O ICI é composto por dois indicadores. O primeiro é o Índice da Situação Atual (ISA), que caiu 0,9% em setembro, ante estabilidade (0%) em agosto. O segundo componente do ICI é o Índice de Expectativas, que apresentou queda de 3,5% em setembro, ante alta de 2,3% em agosto. Na comparação com setembro do ano passado, houve queda de 2,5% para o índice de Situação Atual e taxa negativa de 1,1% para o indicador de Expectativas.

Para a FGV, a avaliação de nível de estoques excessivos e maior cautela em contratações influenciou a queda do ICI em setembro. Em comunicado, a fundação esclarece que, dos quesitos integrantes do índice de confiança que retratam o momento atual, destaca-se a tendência ao aumento dos níveis de estoques industriais em setembro. "A proporção de empresas que consideram o nível atual de estoques como insuficiente foi de apenas 2%, enquanto a parcela das que o avaliam como excessivo ficou em 5%. A diferença negativa de três pontos porcentuais na freqüência relativa destas opções extremas de resposta é a menor desde fevereiro de 2007", informou a fundação, em comunicado.

O levantamento para cálculo do índice foi entre os dias 1º e 25 desse mês, em uma amostra de 1.042 empresas informantes.

Nuci

O Nível de Utilização de Capacidade Instalada (Nuci) da indústria, sem ajuste sazonal, atingiu o nível de 86,4% em setembro, o menor desde julho desse ano, quando atingiu 86,1%, segundo a FGV.

A entidade atualizou resultados recentes de nível de capacidade instalada. Em comunicado, a fundação esclarece que, no mês passado, o Nuci, sem ajuste, registrou resultado de 86,6% - embora tenha anunciado em agosto resultado de 86,5% para o Nuci daquele mês.

Emprego

Ainda de acordo com a FGV, em relação ao emprego industrial, as empresas prevêem continuar contratando, mas se mostram mais cautelosas.

No total de 1.042 empresas consultadas, 32% estimam aumento do contingente de mão-de-obra nos próximos três meses e 6%, aguardam redução no nível de contratações. Em setembro de 2007, os porcentuais para essas respostas haviam sido, respectivamente, de 37% e 7%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.