Tamanho do texto

Brasília, 8 - A safra 2007/08 de grãos do Brasil deve atingir 143,87 milhões de toneladas, volume 9,2% maior que no ciclo anterior. Porém, este resultado poderá sofrer ainda uma leve alteração, com o milho safrinha do Nordeste, que será finalizado este mês.

Os números serão divulgados hoje no 12º levantamento da Conab, que será apresentado pelo presidente da estatal, Wagner Rossi.

Com duas colheitas no ano, o milho participou com 58,59 milhões de t ou 14% (7,21 milhões t) a mais que na safra passada. Já a soja cresceu 2,8%, o equivalente a 1,66 milhões de t. Outro grão em evidência foi o trigo, com 3,82 milhões de t, diferença de 71,2% para cima. Apesar deste aumento, esta quantidade ainda não é suficiente para abastecer o mercado interno, o que leva o Brasil a importar parte do produto da Argentina.

Por outro lado, as exportações dos outros grãos cresceram. Até o final do ano serão embarcadas 52,17 milhões t de milho, soja, feijão e algodão. De janeiro a julho, a saída desses produtos e seus derivados já renderam ao País US$ 13,29 bilhões. A balança comercial do agronegócio, nesse mesmo período, contabilizou US$ 40,11 bilhões em exportações. De acordo com Rossi, este panorama consolida o agronegócio como um dos principais protagonistas da economia brasileira. "Esses avanços são fruto da capacidade empreendedora do produtor brasileiro e da política de apoio consistente do governo à agricultura", explica.

A lista dos maiores produtores de grãos é encabeçada pelo Paraná (21,1%), seguida pelo Mato Grosso (19,7%), Rio Grande do Sul (15,6%) e Goiás (9,1%).

Já a área semeada no País saiu de 46,21 milhões para 47,36 milhões de hectares. A região Centro-Sul responde por 79% do total. O milho e a soja são também as culturas que mais se beneficiaram com a ampliação das terras cultivadas, com 14,71 e 21,33 milhões de hectares, respectivamente.

A Conab divulgou, ainda, a quantidade de alimentos que o governo e o setor privado mantêm armazenada para a entressafra. Os estoques de passagem são de 10,63 milhões de t de milho, 1,03 milhão de t de arroz, 3,03 milhões de t de soja, 535,5 mil t de feijão e 2,28 milhões de toneladas de farelo de soja.

A pesquisa foi realizada por cerca de 80 técnicos, entre os dias 18 e 22 de agosto. Eles consultaram agricultores, cooperativas, sindicatos, órgãos públicos e privados dos principais Estados produtores.