Tamanho do texto

Bruxelas, 7 abr (EFE).- A Comissão Europeia (CE) autorizou hoje a criação de uma joint venture entre as companhias alemãs Bosch, Deutz e Eberspächer, após comprovar que a operação não prejudicará a livre concorrência na Área Econômica Europeia (AEE) ou em uma parte substancial dessa região.

Bruxelas, 7 abr (EFE).- A Comissão Europeia (CE) autorizou hoje a criação de uma joint venture entre as companhias alemãs Bosch, Deutz e Eberspächer, após comprovar que a operação não prejudicará a livre concorrência na Área Econômica Europeia (AEE) ou em uma parte substancial dessa região. A nova empresa atuará com sistemas completos de pós-tratamento de escape de motores diesel tanto para veículos comerciais de passeio quanto para veículos especiais utilizados em trabalhos urbanos, destacou a CE em comunicado. O comunicado destaca que a Bosch se dedica à engenharia automotiva, industrial, de bens de consumo e de serviços de construção, em escala mundial. Já a Deutz fabrica motores diesel e a Eberspächer produz tecnologia para sistemas de escape e de calefação para veículos, ambas também em escala mundial. A joint venture desenvolverá, produzirá e comercializará os sistemas mencionados para veículos como escavadeiras e tratores, bem como para veículos de coleta de lixo e guindastes móveis. Essa empresa também se dedicará à regeneração ativa dos filtros de partículas de fuligem de motores diesel, que também são parte dos sistemas completos oferecidos, indicou a Comissão. Segundo a CE, as atividades da nova empresa só afetam a concorrência no mercado de produção e fornecimento de sistemas de regeneração ativa. No entanto, a pesquisa realizada pela CE aponta que isso não gera "preocupações significativas", pois continuará havendo outros fortes concorrentes nesse mercado. A Comissão também examinou "cuidadosamente" se a concentração provocaria um possível bloqueio de mercado ou um monopólio, mas finalmente concluiu que, embora a Bosch mantenha uma "forte presença" no segmento, "há fornecedores alternativos suficientes". EFE rja/sa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.