Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Companhias aéreas dos EUA tentam obter apoio de passageiros contra especulação sobre petróleo

SÃO PAULO - As principais companhias dos EUA, em conjunto com a Associação do Transporte Aéreo (ATA) daquele país, fizeram um apelo para que os passageiros dos EUA pressionem o congresso do país a endurecer as regras para o mercado de contratos futuros de petróleo. Em carta aberta, a associação e os executivos-chefes de 12 das maiores empresas do país pedem apoio ao lobby que fazem para que se reduza a especulação.

Valor Online |

Vinte anos atrás, 21% dos contratos de petróleo eram adquiridos por especuladores que o negociavam no papel, sem nenhum interesse na entrega física. Hoje, os especuladores compram 66% de todos os contratos futuros de petróleo e isso reflete apenas as transações que são conhecidas, afirma a carta.

Segundo as companhias, especialistas de mercado estimam que os preços atuais refletem custos especulativos desnecessários de US$ 30 a US$ 60 no preço atual do barril, que ronda US$ 140.

Além da carta, o grupo de empresas aéreas - em conjunto com outras organizações ligadas ao transporte - formou uma coalizão, chamada Stop Oil Speculation Now (parem agora com a especulação sobre o petróleo, em inglês) e lançou uma página eletrônica com esse nome para angariar apoio à sua causa.

Hoje, o presidente e executivo-chefe da ATA, James May, assim como outros integrantes da coalizão vão se encontrar em Washington para anunciar soluções razoáveis para reduzir imediatamente os preços recordes dos petróleo.

A resposta dada até agora pelo governo dos EUA, porém, é negativa aos interesses das companhias aéreas. Ontem, o conselheiro-geral do Departamento de Transportes (DoT, na sigla em inglês), D.J. Gribbin, afirmou que a instituição acredita que o nível de especulação atual não é de forma alguma incomum. Segundo ele, os preços estão sendo pressionados por um aumento significativo na demanda, principalmente na Ásia. Não temos evidência de que a especulação é o principal motivo (para a alta), afirmou.

(José Sergio Osse | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG