Tamanho do texto

Nova York, 7 abr (EFE).- A companhia aérea americana de baixo custo Spirit se tornou a primeira grande empresa do setor a cobrar pela bagagem de mão, ao anunciar que taxará em US$ 45 cada volume que for transportado na cabine interna de seus aviões a partir de agosto.

Nova York, 7 abr (EFE).- A companhia aérea americana de baixo custo Spirit se tornou a primeira grande empresa do setor a cobrar pela bagagem de mão, ao anunciar que taxará em US$ 45 cada volume que for transportado na cabine interna de seus aviões a partir de agosto. Em comunicado, a companhia informou que esse custo será aplicado a todas as bagagens que forem depositadas nos compartimentos localizados acima dos assentos. No entanto, a quantia se reduzirá para US$ 30 se o pagamento for antecipado pela internet. Estarão isentos de pagamento os volumes que couberem sob o assento, e desde que não sejam mais de um por pessoa, detalhou a companhia. Além disso, a empresa dará prioridade no embarque aos passageiros que anteciparem o pagamento pela internet e oferecerá descontos aos clientes membros de seu programa de fidelidade. Essas cobranças já começaram a ser aplicadas nessa semana em todas as passagens compradas para viajar a para partir de 1º de agosto. Além de aumentar as receitas da companhia aérea, a cobrança visa reduzir o número de bagagens na cabine interna dos aviões. "Essa medida reduzirá as bagagens de mão, o que melhorará a segurança durante o voo e a eficiência, ao agilizar o processo de embarque e desembarque", assegurou em comunicado o diretor de operações da companhia aérea, Ken McKenzie. As quantias a serem cobradas pelas bagagens de mão serão de US$ 30 por volume em voos internacionais, de US$ 25 em domésticos se o pagamento for feito pela internet e de US$ 45 em todos os voos se o pagamento for feito no aeroporto, no momento do embarque. A Spirit é uma companhia aérea de baixo custo que opera 150 voos diários a 40 destinos dos Estados Unidos, América Latina e Caribe. EFE mgl/sa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.