A Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp) autorizou reajustes no preço do gás natural comercializado pela Comgás. Os reajustes variam de redução de 0,51% a uma alta de 1,34%, dependendo da classe de consumo.

A Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp) autorizou reajustes no preço do gás natural comercializado pela Comgás. Os reajustes variam de redução de 0,51% a uma alta de 1,34%, dependendo da classe de consumo. As novas tarifas são válidas a partir de hoje, dia 31 de maio, data da assinatura do contrato de concessão da distribuidora.

Conforme explicou a Artesp, os consumidores residenciais com consumo entre 0 e 5 metros cúbicos terão aumento de 0,11% em suas faturas mensais, enquanto os usuários com consumo mensal acima de 6 metros cúbicos terão reduções de 0,3% a 0,5%. Para os consumidores comerciais, a alta será de 0,5% a 1,34%, dependendo do volume consumido. As faturas dos pequenos usuários industriais, com consumo de 5 mil a 50 mil metros cúbicos por mês, subirão, em média, 0,5%, enquanto os grandes usuários, com consumo de 1 milhão a 10 milhões metros cúbicos por mês, terão reduções nas tarifas de 0,17% a 0,33%. No segmento de Gás Natural Veicular (GNV), a queda na tarifa de venda para os postos é de 0,53%.

O processo de reajuste das tarifas da Comgás considera a margem de distribuição, o custo de compra de gás e o custo com transporte. Segundo a agência reguladora paulista, neste ano o reajuste autorizado na margem de distribuição incorporou a variação do IGP-M (de 2,88%), subtraindo-se o Fator X, que é o redutor por ganhos de eficiência, de 0,82%, resultando no porcentual de 2,06%. Já o preço do gás determinado pela Petrobras teve impacto do forte aumento ocorrido entre dezembro do ano passado e o último mês de maio, de 14,91%, para o insumo de origem boliviana, e de 5,83%, para o produto de origem nacional.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.