Tamanho do texto

Kuala Lumpur, 06 - O comércio global de óleo de soja deve sofrer uma redução de 1 milhão de toneladas, ou 4%, na safra 2008/09, por causa da queda dos embarques dos Estados Unidos e do maior uso doméstico para a produção de biocombustíveis. Apesar disso, o movimento total de óleos vegetais deve crescer 3,2% no ciclo.

A previsão foi divulgada hoje pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

"Na contramão dos óleos de palma, canola e girassol, o comércio mundial de óleo de soja deve cair, algo que aconteceu apenas uma vez nos últimos 10 anos", afirma relatório da entidade. O principal responsável pela contração no comércio são os Estados Unidos, que devem exportar seu menor volume em três anos - 6 milhões de toneladas. O dado inclui o óleo contido nos embarques de soja em grão.

De acordo com a FAO, o tamanho da safra e o menor conteúdo de óleo nos grãos, aliados à necessidade de recomposição dos estoques e à maior demanda pelos produtores de biodiesel, explicariam a queda das exportações americanas. Alguns desses fatores também poderiam provocar uma retração nas exportações de Brasil e Argentina.

Nos Estados Unidos e no Brasil, o participação dos biocombustíveis no consumo total de óleos vegetais deve crescer para 17% e 20%, respectivamente. Na Argentina, a produção de biodiesel, especialmente para exportação, responde por cerca da metade do consumo total de óleos vegetais.

A FAO disse que o crescimento de 6% nos estoques mundiais de óleos vegetais previsto para a safra 2008/09 será apenas uma recuperação parcial em relação ao ano passado, quando o volume armazenado ficou abaixo da média. Em contrapartida, os estoques de óleo de soja devem cair pelo segundo ano consecutivo. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.