Bruxelas, 24 fev (EFE).- O comércio mundial caiu 12% em volume em 2009, pior dado desde o final da Segunda Guerra Mundial, em 1945, anunciou hoje o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Pascal Lamy.

A causa principal dessa "queda livre" do comércio foi, segundo Lamy, a redução simultânea da demanda agregada nas principais economias do mundo como resultado da crise financeira e econômica internacional.

Convidado pelo European Policy Centre (EPC), um dos principais centros de análise de Bruxelas, o diretor-geral da OMC pronunciou um discurso no qual defendeu as trocas comerciais internacionais como um elemento essencial da solução global à recessão econômica.

"Quando as economias buscam se recuperar da crise, é fundamental manter os mercados internacionais abertos", disse Lamy, que reconheceu que "não são tempos fáceis".

"O comércio se contraiu em volume em torno de 12% em 2009, maior queda desde o final da Segunda Guerra Mundial", indicou Lamy, segundo o texto divulgado à imprensa.

A última previsão da OMC do mês de dezembro constatava uma redução de 10%.

Além da contração generalizada da demanda agregada, a este histórico colapso contribuíram a perda de crédito e as altas de tarifas e subsídios nacionais, assim como novas barreiras não-tarifárias e medidas antidumping.

No entanto, um ano depois da explosão da crise, "vemos que o sistema de comércio multilateral, pelo menos por enquanto, demonstrou sua força frente ao protecionismo", manifestou.

Segundo Lamy, as economias fragilizadas, mantidas pelo estímulo fiscal dos Governos, necessitam urgentemente de "outras fontes de crescimento, motores sustentáveis que não aumentem a dívida". Dessa forma, comércio se transforma "em uma parte importante da história", complementou. EFE jms/sa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.