Resultado corresponde a um crescimento de 20,8% frente ao ano anterior

O comércio brasileiro faturou R$ 1,45 trilhão ao longo de 2008, segundo dados da Pesquisa Anual de Comércio (PAC), divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado corresponde a um crescimento de 20,8% frente ao ano anterior. Naquele ano, as 1,4 milhão de companhias do setor empregaram cerca de 8,22 milhões de pessoas e pagaram R$ 83,1 bilhões em salários.

“Entre 2007 e 2008, não houve mudanças estruturais no comércio. O pessoal ocupado cresceu de 7,57 milhões para 8,22 milhões (8,55%) e o número de empresas de 1,33 milhão para 1,43 milhão (7,47%)”, informou o IBGE.

O comércio de veículos, peças e motocicletas respondeu pela maior alta na geração de empregos do setor em 2008. Foram 12,13% mais vagas em 2008, frente ao ano anterior. Já o número de empresas do segmento saltou 5,51%.

No comércio por atacado, os empregos cresceram 7,28%, enquanto as empresas saltaram 6,95%. Já no comércio varejista, foram 8,38% de novas vagas e 7,7% de aumento no número das empresas.

Faturamento

As empresas atacadistas responderam pela maior fatia do faturamento do comércio em 2008. As 152,5 mil companhias do segmento (10,7% do total) tiveram 44,6% de todo faturamento do setor. “O segmento ocupava cerca de 1,415 milhão de pessoas (17,2% do total) e pagou R$ 22,4 bilhões em salários, retiradas e outras remunerações (26,9% do total) ao longo do ano”, completou o IBGE.

O comércio varejista, que tem o maior número de empresas do setor (80% do total), responde por 39,6% do faturamento, com R$ 576,8 bilhões em receita operacional líquida. O segmento tinha 5,984 milhões de pessoas ocupadas (72,8% do total), com R$ 50,7 bilhões gastos com salários.

Já o comércio de veículos, peças e motocicletas respondeu por R$ 229 bilhões de faturamento (1,58% do total), com suas 133,6 mil empresas (9,3% do total). Em 2008, eram 823,4 mil pessoas ocupadas pelo segmento, que gastou R$ 10 bilhões em salários, retiradas e outras remunerações.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.