Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Comércio eletrônico crescerá menos que o esperado em 2008, diz E-bit

SÃO PAULO - O comércio eletrônico deve crescer menos do que o esperado neste ano, afirmou hoje a consultoria eletrônica E-bit. A incerteza em relação ao efeito do recente ciclo de alta dos juros e de uma possível contaminação pela crise econômica dos EUA levaram à correção das expectativas.

Valor Online |

A entidade, que no início do ano projetava um faturamento total de R$ 8,8 bilhões no setor, reduziu para R$ 8,5 bilhões sua expectativa para o fechado de 2008. Ainda assim, ela manteve a expectativa de que o país tenha, ao fim de dezembro, 12 milhões de pessoas que já fizeram ao menos uma compra pela internet. Em 2007, o setor apresentou receita de R$ 6,3 bilhões com uma base de 9,5 milhões de consumidores.

Revimos a projeção para o ano principalmente para refletir as incertezas com relação ao cenário das taxas de juros, afirmou o diretor-geral da E-bit, Pedro Guasti. Fomos precavidos, acrescentou.

Segundo o executivo, os juros mais altos podem ter efeito negativo sobre os financiamentos, limitando os recursos utilizados para compras no ambiente da internet - que se beneficia bastante do acesso fácil ao crédito.

Mas ainda estamos otimistas, especialmente pela expectativa da entrada de novos consumidores (no consumo online), afirma Guasti. O próprio aumento da massa salarial e a entrada de novas empresas físicas tradicionais no ambiente online devem sustentar os resultados no ano, acrescenta.

Para o executivo, a abertura de operações online por grandes redes varejistas brasileiras que ainda não atuam com comércio eletrônico pode ter um efeito significativo para impulsionar o setor. Segundo ele, o esforço de publicidade, a exposição na mídia e o reconhecimento dos clientes com uma marca já estabelecida e na qual confiam devem contribuir para elevar a base de consumidores. Segundo ele, muitos já poderiam consumir pela internet, mas ainda não o fazem pela falta de um varejista em quem confiam vendendo eletronicamente.

(José Sergio Osse | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG