Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Com Petrobras e Vale, Bovespa cai na contramão de Wall St

Por Aluísio Alves SÃO PAULO (Reuters) - Perdas maciças das estrelas no mercado acionário brasileiro empurraram para baixo a Bolsa de Valores de São Paulo nesta quinta-feira, na contramão de Wall Street.

Reuters |

Com queda de 3,14 por cento, o Ibovespa voltou aos 60.108 pontos, consumindo de uma vez os ganhos acumulados nas últimas três sessões.

Esse movimento foi suportado por forte giro financeiro de 8,3 bilhões de reais, o maior em pregões livres de vencimentos de opções desde o final de maio.

A continuidade da correção nos preços das commodities detonou uma saraivada de ordens de venda sobre as ações de maior peso na carteira téorica, leia-se Petrobras e Vale.

No caso da primeira, as ações preferenciais fecharam cotadas a 37,70 reais, depois de caírem 4,95 por cento, variação similar à registrada pelo barril do petróleo, que caiu ao nível dos 129 dólares.

Já as preferenciais da Vale foram ainda mais longe, desabando 5,4 por cento, para 40,30 reais, um dia depois de a mineradora anunciar o preço das ações vendidas no âmbito de uma emissão primária que teve baixa procura.

'A subscrição saiu a um preço muito baixo', disse Carlos Alberto Ribeiro, diretor da Novação Distribuidora.

A baixa nas commodities também empurrou para baixo outro setro de destaque na bolsa paulista, o siderúrgico. Na ponta, as preferenciais da Gerdau recuaram 5,6 por cento, para 33,32 reais.

Diante disso, altas de papéis de companhias aéreas e do setor financeiro, seguindo o mesmo comportamento setorial em Wall Street, ficou em segundo plano.

Foi a terceira vez na semana, aliás, que a bolsa paulista caminhou na contramão dos mercados norte-americanos, desta vez operando sozinha no vermelho.

Na Bolsa de Nova York, o índice Dow Jones subiu 1,85 por cento, puxado pelo setor financeiro depois que o JPMorgan Chase divulgou resultados do segundo trimestre melhor do que as expectativas.

'Foi um dia surpreendente na Bovespa, porque o cenário externo era positivo e o risco-Brasil recuou', disse Ribeiro.

(Edição de Vanessa Stelzer)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG