Dona de um quarto do mercado brasileiro de automóveis e líder de vendas no País, a Fiat volta a disputar o mercado dos chamados sedãs médios (veículos na faixa de R$ 60 mil a R$ 80 mil) com o lançamento do novo modelo Linea, apresentado ontem ao mercado. A montadora, que havia abandonado o segmento há um ano, com o fim da produção do Marea, pretende conquistar 15% das vendas dos sedãs médios no mercado brasileiro já em 2009.

Para este ano, a estimativa é de que sejam vendidas 220 mil unidades no segmento. Se os planos da Fiat se concretizarem, a montadora deverá vender 30 mil unidades do Linea no ano que vem, o que significa entre 2,5 mil a 3 mil carros por mês.

"É um objetivo pé-no-chão", disse o presidente da companhia, Cledorvino Belini. Não é para menos. O segmento dos sedãs médios já é o quarto maior do mercado nacional e hoje é disputado por nada menos do que 25 modelos.

Em 2007, a venda de sedãs médios cresceu 30,6% comparada com o ano anterior, enquanto o mercado de automóveis aumentou 26,4% no mesmo período. Foram comercializados mais de 181 mil modelos sedãs médios, o que representou um movimento de R$ 12 bilhões. Neste ano, de janeiro a agosto, só nesse nicho já foram vendidos mais de 140 mil automóveis.

O Fiat Linea chega ao mercado em quatro diferentes versões, com duas novas motorizações, dois tipos de câmbio e três níveis de acabamento. Os preços variam de R$ 60,9 mil (motor 1.9 16 V) a R$ 78,9 mil (turbo). "Comparado com os principais concorrentes com o mesmo nível de conteúdo, nossos preços são entre 10% e 12% mais baixos", disse o diretor-comercial, Lélio Ramos.

Com investimentos de 250 milhões , o novo modelo é um projeto mundial da Fiat, desenvolvido pela engenharia da Fiat do Brasil juntamente com a Itália. Lançado em maio deste ano, ele já é vendido em países como Alemanha e Portugal.

O lançamento do Linea - o terceiro no curto espaço de 45 dias - é a principal aposta da Fiat no País. A campanha publicitária deverá representar cerca de 30% de toda a verba de marketing da Fiat prevista para este ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.