A Positivo Informática adicionou à linha Mobo, de mininotebooks, equipamentos com tela maior e mais capacidade de armazenamento de dados. São seis novos modelos, com discos rígidos de 60 GB a 160 GB, que estarão nas prateleiras a partir da segunda quinzena de outubro.

Além de usuários interessados em adquirir seu segundo computador portátil, a Positivo quer conquistar com o Mobo o público empresarial. O crescimento da Positivo no mercado corporativo foi de 106,4% no segundo trimestre, comparativamente a igual intervalo de 2007.

O presidente da fabricante, Hélio Rotenberg, diz que tem trabalhado para desvincular, neste segmento, a imagem de produtora de computadores populares que a Positivo construiu e a tornou líder de vendas no País. Para divulgar seu produto, especialmente entre pequenas e médias empresas, a Positivo tem promovido programas de "degustação", segundo seu principal executivo.

Além de uma linha de equipamentos projetada para o universo empresarial, a Positivo acredita que os ultraportáteis Mobo terão bastante apelo neste setor, especialmente para executivos que fazem viagens curtas constantemente. "São computadores baratos para serem comprados para os funcionários e que garantem mobilidade."

Os novos ultraportáteis Mobo da Positivo, que se somam ao modelo de 7 polegadas e 4GB, têm telas de 8,9 a 10 polegadas. Podem vir com o sistema operacional Windows e Linux, pesam em torno de 1,3 Kg e têm baterias que, conforme o modelo, podem durar por até seis horas de uso. A família de mininotebooks também ganha modelos na cor branca. Além dos ultraportáteis, a empresa lançou cinco notebooks.

Também chegam em outubro dois modelos prontos para a era digital. Um dos produtos da linha PCTV terá drive Blu-ray para gravar e reproduzir filmes, vídeos e sons em alta definição. O outro traz um conversor de TV digital embarcado e permite captar tanto o sinal da TV analógica, como o digital.

Na apresentação feita hoje para jornalistas, a fabricante também fez um lançamento que visa fortalecer sua presença na classe C, onde há mais de 20 milhões de lares sem computadores. Com base em pesquisas qualitativas e quantitativas, a empresa criou um desktop com design - assinado pela norte-americana Ideo - próprio para fazer do computador um item decorativo.

O gabinete deste equipamento vem com uma tampa frontal acrílica que pode ser retirada e enfeitada com algumas "folhas faces" que acompanham o produto - por isso a linha se chama Faces. Se o usuário quiser personalizar seu gabinete com fotos, pode criar sua própria "face" com um software que vem instalado no computador. Estes computadores, com quatro configurações, chegam ao mercado no começo de outubro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.