Na reta final do desconto do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), os carros mais procurados pelos consumidores estão em falta nas revendas. A previsão de entrega vai de 15 a 60 dias, quando o benefício já terá terminado.

As montadoras informam que se prepararam para a demanda maior prevista para março, mas não estão dando conta da demanda. O setor espera vendas recordes neste mês, de cerca de 320 mil unidades. A redução do IPI vai até o dia 31. Em abril, os preços dos veículos devem aumentar de 3,5% a 4%.

O hatch Agile, da General Motors, que custa R$ 34 mil, tem fila de espera de 30 dias. A empresa informa que o modelo é produzido na Argentina, que já anunciou planos de ampliar a produção. Um mês também é o prazo que as concessionárias Volkswagen Avel, de São Bernardo do Campo, e Jewa, da capital paulista, pedem para quem estiver interessado na versão 1.6 do Fox, vendida por cerca de R$ 38 mil.

A gerente de Vendas da Avel, Ednéia Vedovato, informa que também estão em falta os modelos Voyage, Polo e Saveiro, todos com espera média de 30 dias. No grupo Fiat Amazonas, a picape Strada cabine dupla só estará disponível daqui a dois meses. Para a versão simples, a espera é de 15 a 20 dias. O furgão Dobló é o campeão de espera. Com preço na casa dos R$ 50 mil, leva de 60 a 90 dias para ser entregue.

Até sexta-feira, as vendas totais de veículos novos no País, incluindo caminhões e ônibus, somam 128.278 unidades, 4% mais que em igual período de fevereiro e 12,4% superior ao de igual mês de 2009. Só o segmento de automóveis e comerciais leves, alvo do corte do IPI, vendeu 120.950 unidades.

De janeiro até agora, segundo fontes do setor, foram vendidos 562.547 veículos, alta de 10,1% na comparação com o mesmo período do ano passado. A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) projeta para o ano todo um crescimento de 9,3% nas vendas, o que resultaria em volume recorde de 3,4 milhões de unidades.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.