Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Com espaço para crescer, Redecard não se assusta com a crise

SÃO PAULO - A crise financeira internacional parece não preocupar a Redecard, empresa que credencia os estabelecimentos que recebem pagamentos com cartões Mastercard no Brasil. Em entrevista ao Valor Online, o presidente da companhia, Roberto Medeiros, disse que o grande espaço ainda existente no país para a penetração do uso de cartões deve garantir o crescimento dos negócios durante os tempos de turbulência.

Valor Online |

De acordo com ele, apenas 20% do consumo pessoal do brasileiro é pago com plásticos de crédito e débito, enquanto que em países desenvolvidos, o número fica entre 40% e 45%.

Além de aproveitar a onda de troca de dinheiro e talão de cheques pelos cartões, a empresa também segue apostando as fichas na exploração de novos mercados, como pequenas cidades das regiões Nordeste e Centro-Oeste, onde ainda tem atuação discreta. Um dos focos são os municípios que abrigam grandes e novos projetos industriais, que acabam desenvolvendo a economia local e, conseqüentemente, abrindo espaço para o credenciamento de novos estabelecimentos comerciais.

Questionado se a crise global poderia reduzir a velocidade desses projetos e, dessa forma, impedir um crescimento maior da empresa, o executivo preferiu não arriscar um palpite. "O certo é que continuaremos crescendo", resumiu.

Mesmo sem fazer projeções, o Medeiros garantiu que todos os investimentos da companhia previstos para 2009 estão mantidos. O orçamento para o próximo ano ainda não foi aprovado pelo conselho de administração, mas ele assegurou que o investimento será de, pelo menos, R$ 140 milhões, mesmo valor desembolsado em 2008.

Por ora, Medeiros prefere comemorar os resultados obtidos no ano e, mais especificamente no terceiro trimestre deste ano, que classificou como "maravilhoso". O lucro líquido contábil do período ficou em R$ 281,8 milhões, o que representa um crescimento de 56,8% em relação ao terceiro trimestre de 2007. A receita operacional saltou 22,5%, para R$ 575 milhões.

(Murillo Camarotto | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG