Por Michelle Nichols NOVA YORK (Reuters) - A crise econômica global fez do desemprego o medo mais difundido do mundo, ultrapassando o medo da pobreza, da desigualdade social, do crime e da violência, mostrou uma pesquisa feita em 22 países, divulgada na quinta-feira.

Cerca de 41 por cento dos entrevistados disseram que perder o emprego é sua principal preocupação --um salto de 13 pontos percentuais no período de um ano (há um ano, o desemprego era a quarta maior preocupação), de acordo com uma pesquisa feita em novembro com 22 mil pessoas.

"Empregos, empregos, empregos. No mundo todo, essa é a questão número um", disse Clifford Young, da Ipsos Assuntos Públicos Globais, empresa de pesquisas de opinião e mercado responsável pela sondagem. "Haverá uma demanda por soluções governamentais".

Dados dos EUA divulgados na quarta-feira mostram que os empregadores privados cortaram 693 mil postos de trabalho em dezembro, muito mais do que o esperado. No mês anterior, foram cortados 476 mil empregos no país.

"(A pesquisa) sugere que haverá volta de questões básicas, como criação de empregos e programas relacionados à empregabilidade. Sugere também que haverá maior intervenção do governo nas economias", disse.

Cerca de 35 por cento dos entrevistados preocupavam-se igualmente com a pobreza, a desigualdade social e a violência, que ficou em segundo lugar. Já 31 por cento das pessoas disseram temer a corrupção e os escândalos financeiros ou políticos.

Os 22 países onde a pesquisa foi feita representam 75 por cento do PIB mundial.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.