Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Com commodities, queda na Bovespa bate os 7%, mesmo com lucro da Petrobras

SÃO PAULO - Apesar da divulgação de lucro trimestral da Petrobras, ontem, maior do que o esperado, a Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) operava em baixa nesta quarta-feira, puxada pela queda nas commodities.

Redação com Valor Online |

 

Acordo Ortográfico

Por volta de 15h50, o Bovespa registrava queda de 7,46%, operando aos 34.480 pontos. Ontem, a Bolsa permaneceu no terreno negativo durante quase todo o dia, mas se recuperou perto do fechamento e teve ganho de mais de 1%.

Já o dólar, no horário, tinha alta de 2,38%, cotado a R$ 2,278. A valorização chegou a ser reduzida depois que o Banco Central vendeu dólares a R$ 2,25, mas voltou a acelerar. Para as moedas de países emergentes como o Brasil, o dia amanhece desfavorável, com commodities e euro em queda.

A China continua mostrando as cartas de que dispõe para evitar que a crise internacional ganhe proporções mais sérias na sua economia. Mas as medidas anunciadas hoje, que se resumem a incentivos fiscais para exportação, não são suficientes para determinar o rumo dos mercados internacionais, como ocorreu na segunda-feira, quando foi divulgado o pacote de estímulo à economia de US$ 586 bilhões.

A avaliação é de que os mercados seguem sensíveis e internamente não deve ser diferente. Nesse sentido, os especialistas afirmam que os investidores devem ficar atentos ao noticiário sobre o setor automotivo internacional. Internamente, uma certeza: se houver demanda por dólares, o Banco Central venderá divisas.

Resultados

Na falta de indicadores econômicos, tanto aqui quanto nos Estados Unidos, os resultados trimestrais voltam a fazer a agenda nesta quarta-feira. Foco no resultado da Petrobras, que foi apresentado após o encerramento da sessão de ontem.

Os agentes também reagem aos números da América Latina Logística (ALL), Brascan Residential Properties, Banrisul, Hypermarcas, Marfrig, Iguatemi Empresa de Shopping Center, Tegma, Amil, BicBanco, Copel, Alpargatas e Nutriplant. No exterior, estão previstos os resultados do ING e Iberia.

Na agenda externa de indicadores, o unido dados previsto é a produção industrial na zona do euro.

Wall Street

Depois da declaração do secretário do Tesouro norte-americano, Henry Paulson, de que a ajuda de US$ 700 bilhões não deve ser usada para socorrer montadoras nem para comprar títulos podres, Wall Street consolidou a queda que já vinha sendo registrada desde o início do pregão.

A Bolsa de Nova York operava em baixa de 2,61% no índice Dow Jones Industrial, com os investidores preocupados com novos sinais de que está havendo uma redução da despesa dos consumidores. Já o índice Nasdaq perdia 2,90% do valor.

Leia também

 

Para saber mais

 

Serviço 

 

Opinião

Leia tudo sobre: bovespadolar

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG