Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Colocar Petrobras sob suspeita é estarrecedor, afirma Dilma

BRASÍLIA - O ataque do PSDB ao empréstimo de R$ 2 bilhões da Caixa Econômica à Petrobras é estarrecedor e expõe a estatal a um estresse que é atirar no próprio pé, disse a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. Jogar suspeita de que a Petrobras está quebrando, isso não é possível.

Valor Online |

" Para ela, as divergências políticas com a oposição são naturais, mas essa "não tem fundamento técnico".

Ela explicou no Congresso que a operação ocorreu porque "há um choque externo de crédito e o crédito foi cortado ao Brasil". Assim, a estatal teve de recorrer ao mercado financeiro interno "num momento crítico e notório de falta de liquidez". Dilma insistiu perante os parlamentares que "não é correto expor a Petrobras" numa situação de aperto internacional.

A ministra também negou a crítica da oposição de que o empréstimo à Petrobras reduz a disponibilidade de crédito para outros setores da atividade.

"Não é por falta de recursos que estamos tendo problemas no Brasil. Nós ainda temos R$ 195 bilhões em depósitos compulsórios. Então, por que não emprestar?", questionou ela.

A ministra disse ainda que quem quer saber por que a Petrobras recorreu a uma instituição financeira pública, deve "perguntar aos bancos privados a taxa que cobram". Segundo Dilma, o custo da operação ficou em 104% do CDI e a estatal não representa risco para a Caixa Econômica Federal, por ser a maior empresa brasileira e ter boa nota de crédito dada pelas agências de classificação internacionais. "Estranho seria o inverso: que a Petrobras estivesse emprestando à Caixa e aí, sim, haveria uma inversão de papéis."
Disse também ser "normal" o fato de a estatal buscar a melhor taxa de crédito. "Ela é solvente, dá garantias e em 180 dias ela paga, qual é o problema?", afirmou a ministra, voltando a esclarecer que o crédito foi tomado para a Petrobras complementar o pagamento de Imposto de Renda por ganhos com a recuperação de preço do dólar sobre o real.

Afirmou ainda que a estatal mantém boa relação com o sistema financeiro internacional. "Eu asseguro aos senhores que a primeira abertura de linha externa que houver será da Petrobras."
(Azelma Rodrigues | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG