Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

CNI defende indústria para crescimento sustentado

A indústria deve estar no centro da estratégia de crescimento do País, segundo o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro Neto. "Ter mais ou menos indústria não é indiferente para o País.

AE |

A indústria deve estar no centro da estratégia de crescimento do País, segundo o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro Neto. "Ter mais ou menos indústria não é indiferente para o País. A indústria é fundamental para o desenvolvimento sustentado", afirmou ele, no discurso de abertura do Encontro da Indústria com os Presidenciáveis, realizado na sede da instituição, em Brasília. "Com mais indústria, o Brasil crescerá mais e melhor", continuou.

Para Monteiro Neto, o País pode e deve crescer mais, já que, nos últimos 30 anos, segundo ele, o ritmo de crescimento da economia tem sido abaixo das necessidades, o que frustra a população. "O Brasil terá o tamanho das nossas próprias ambições", disse. Ele apresentou números que fazem parte do levantamento elaborado pela CNI e que foi distribuído mais cedo aos convidados, como a estimativa de que a renda per capita brasileira pode dobrar em 15 anos e a de que o País poderá sustentar um crescimento de 5,5% ao ano. Segundo o presidente da CNI, essas projeções são possíveis, mas o Brasil não pode apenas aguardar o que chamou de "os ventos da prosperidade da economia mundial".

Monteiro Neto destacou que o Brasil está em posição desvantajosa em relação a seus concorrentes, em função de problemas como valorização cambial e alta carga tributária, entre outros pontos. Por isso, ele defendeu uma agenda clara para o Brasil ser mais competitivo. "Precisamos de uma estrutura industrial mais forte, mais diversificada. O Brasil deve assumir agenda da competitividade, com sentido de urgência", argumentou. Ele destacou que o setor está disposto a colaborar para o crescimento do País. "Estamos em um momento marcado por forte otimismo empresarial. A nossa geração conseguiu romper o ciclo de altos e baixos da economia", considerou.

Falando diretamente aos pré-candidatos à Presidência da República Dilma Rousseff (PT), José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV), o presidente da CNI enfatizou que o crescimento deve ser baseado na educação e no conhecimento. "Após a eleição, um dos senhores se defrontará com dois grandes desafios: remover obstáculos e construir competências".

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG