O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) manteve-se praticamente estável em março. De acordo com os dados da pesquisa, divulgada há pouco pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o ICEI de março ficou em 67,7 pontos, apenas 0,1 ponto abaixo do registrado em fevereiro (67,8 pontos).

O índice, segundo a CNI, mantém-se elevado, 8,9 pontos acima da média histórica do ICEI, que é de 58,8 pontos.

Para o gerente-executivo da Unidade de Pesquisa da CNI, Renato da Fonseca, o indicador mostra que os empresários estão avaliando que a economia caminha da mesma maneira e, por isso, as intenções de investimento permanecem. "Os empresários continuam com a mesma disposição (de investimento). Mudança no índice de confiança só se houver alguma mudança de política ou algum desastre", disse.

Na avaliação de Fonseca, nem mesmo as eleições presidenciais deste ano devem alterar significativamente o índice de confiança do empresário industrial. Isso porque, afirma, "os dois principais pré-candidatos à presidência da República não têm programas na área econômica muito diferentes".

Segmentos

A pesquisa revela que a confiança do empresário da indústria extrativa passou a ser a mais elevada entre os segmentos pesquisados. O índice aumentou 1,7 ponto, de 66,1 em fevereiro para 67,8 pontos em março. De acordo com a pesquisa, é a quinta alta consecutiva do indicador, acumulando crescimento de 17,1 pontos na comparação com abril de 2009.

Por outro lado, o ICEI da construção civil caiu de 68,1 pontos para 67,1 pontos no mesmo período de comparação. O índice para a indústria de transformação manteve-se estável, em 66,3 pontos, apenas 0,1 ponto abaixo do registrado em fevereiro (66,4 pontos).

Com relação aos 27 setores considerados pela pesquisa da CNI, a evolução do índice de confiança no mês de março foi bastante diferenciada. Dez setores registraram alta do ICEI de um ponto ou mais, outros oito setores tiveram queda superior a um ponto e os demais mantiveram-se praticamente estáveis. Para Fonseca, é difícil avaliar esse movimento por setor porque pode ser apenas um ajuste de algum evento anterior.

Entre os setores com alta de confiança, destacam-se Bebidas e Madeira, com aumento da confiança superior a 7,5 pontos. Por outro lado, os setores Couros, Indústria Diversa e Borracha registraram queda no índice superior a 6 pontos.

Os índices de condições atuais e de expectativa para os próximos seis meses, que compõem o ICEI, permaneceram estáveis no mês. O índice de condições atuais passou de 61,3 pontos em fevereiro para 61 pontos em março. No entanto, destaca a CNI, o indicador ainda está muito superior à linha divisória de 50 pontos, "o que denota percepção de melhora das condições atuais". O índice de expectativas para os próximos seis meses manteve-se constante em 71 pontos. "O otimismo para os próximos seis meses segue disseminado pela indústria", destaca o documento da CNI.

O ICEI varia de zero a 100, sendo que valores acima de 50 pontos indicam empresários confiantes. O ICEI de março foi realizado entre os dias 1º e 22 de março, com uma amostra de 1.599 empresas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.