Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Classe C deve mudar perfil de consumo

O freio no consumo da classe C terá impacto no desempenho da indústria, especialmente entre os fabricantes de eletrodomésticos. ¿Viemos de três anos de crescimento intenso, puxado pela classe C¿, diz Jerome Cadier, diretor de Marketing da Whirlpool, dona da tradicional Brastemp e da popular Cônsul.

Agência Estado |

A empresa esperava crescer 20% neste ano, mas Cardier diz que deverá encerrar 2008 com expansão entre 8% e 10% e algo em torno de 3% para o ano que vem. O executivo não descarta a possibilidade de não crescer em 2009.

A Latina, fabricante de lavadoras semi-automáticas, os populares tanquinhos, também está cautelosa. A empresa espera crescer 5% em 2009. Este ano ampliou em 40% os negócios em novos produtos, como purificadores de água e ventiladores, e cresceu 20% em lavadoras. 2008 começou bem e terminou mal, diz o presidente da empresa, Valdemir Dantas. Apesar da revisão nas expectativas, ele acredita que pode se sair bem, mesmo com a estagnação da classe C. O consumidor que planejava comprar uma lavadora automática vai se contentar com um tanquinho.

Para Haroldo Torres, sócio-diretor do instituto Data Popular, os produtos de maior valor, cujas vendas dependem do crédito, serão mais afetados. Mas, na sua avaliação, o sucesso nesse novo mercado depende da capacidade de adaptação. A classe C deve reconfigurar sua cesta de consumo, migrando para marcas mais baratas.

Num primeiro momento, diz Marcos Pazzini, sócio-diretor da Target Consultoria, no susto, as empresas tendem a tirar o pé do acelerador. Mas, com o passar do tempo, devem mudar as condições de venda e até a oferta de produtos para não perder esse mercado.

A Positivo Informática, que tem 60% dos clientes na classe C, alterou a linha de produtos para o Natal. Apesar do aumento dos custos em dólar, manteve os preços dos computadores, mas ajustou a configuração das máquinas: os monitores estão menores e os chips, menos potentes. Essa foi a forma encontrada para manter o ritmo vendas, diz o diretor de Marketing, César Aymoré. Como a posse de computadores entre as famílias de classe C é de apenas 25%, há espaço para crescer. Mas, na dúvida, a empresa aumentou a produção de notebooks para conquistar o consumidor de maior poder aquisitivo. Há um ano, os notebooks representavam 20% das vendas. Hoje respondem por 30%.

A Living, divisão de imóveis econômicos da Cyrela, alterou os critérios para vender apartamentos. A parcela de comprometimento do orçamento do comprador com a prestação, que era de 30%, foi reduzida para 25%, diz o diretor de Novos Negócios, Antonio Guedes. Ele acredita que a empresa fará uma adequação ao novo cenário, mas ressalta que a participação dos imóveis de menor valor total de lançamentos será mantida em 30%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia mais sobre consumo

Leia tudo sobre: consumo

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG