A cimenteira portuguesa Cimpor, alvo de uma recente batalha de aquisição envolvendo as brasileiras Votorantim e Camargo Corrêa, obteve lucro líquido de 237 milhões de euros (US$ 325 milhões) em 2009, 8% maior que o de 219,4 milhões de euros de 2008. O bom desempenho do grupo em mercados emergentes superou a fraca atividade no setor de construção em Portugal e na Espanha.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561474276&_c_=MiGComponente_C

A receita ficou praticamente estável, em 2,09 bilhões de euros, enquanto o Ebitda aumentou 3,3%, para 605,9 milhões de euros, informou a empresa em documento enviado à CMVM, a comissão de valores mobiliários portuguesa.

Além de Espanha e Portugal, a Cimpor possui operações na África, Ásia e no Brasil. O grupo foi alvo de uma oferta hostil de 4,15 bilhões de euros da CSN. A siderúrgica brasileira, entretanto, não conseguiu comprar um terço mais uma ação da empresa portuguesa, que é a terceira maior fabricante de cimentos do País. Na oferta pública de aquisição de ações (OPA) realizada pela CSN no final de fevereiro, o total atingiu apenas 8,56% das ações da cimenteira. As informações são da Dow Jones.

Leia mais sobre: Cimpor

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.