A montadora americana Chrysler, que fechou um acordo de cooperação com a italiana Fiat, precisa obter um empréstimo adicional de US$ três bilhões do Tesouro americano para concluir a transação, informa o Wall Street Journal.

O acordo, segundo o qual a Fiat pode assumir 35% da Chrysler em troca do acesso a sua tecnologia, "não será executório se a Chrysler não conseguir três bilhões de dólares de ajuda adicional de parte de Washington", destaca o jornal.

O acordo deve estar concluído em abril, mas a Chrysler deve provar ser economicamente viável até o fim de março sob o risco de ter que reembolsar os recursos que recebeu (5,5 bilhões de dólares) do Estado federal, "e para ser um possível candidato" a um novo empréstimo, destaca o Wall Street Journal.

"Ao mesmo tempo que a Fiat oferece a Chrysler uma associação estratégica de longo prazo, este é de pouca utilidade para contra-atacar a crise atual", analisa o jornal financeiro.

jug/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.