Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Chineses compram 50% de petroleira argentina

A estatal chinesa do petróleo China National Offshore Oil Corporation (CNOOC) fechou um acordo para a compra de 50% da petroleira argentina Bridas. Pelo termos acertados, os dois vão compartilhar igualmente a propriedade e a gestão da Bridas Corporation.

Agência Estado |

"Estou muito satisfeito com o acordo alcançado com a CNOOC", disse Carlos Bulgheroni, presidente da Bridas Energy Holdings, em comunicado.

A CNOOC vai pagar US$ 3,1 bilhões pela participação na petroleira argentina. O acordo, que ainda deve ser autorizado por reguladores, envolve a criação de uma empresa conjunta para controlar a Bridas Corp. "Essa associação nos permitirá encarar de forma ainda mais robusta nossos programas de crescimento na Argentina, no Cone Sul e em outras regiões do mundo com enorme potencial de reservas e produção de petróleo e gás natural", disse Bulgheroni.

O executivo afirmou que, "com esse acordo, a CNOOC dá um primeiro grande passo na América do Sul, e a Bridas consolida sua presença internacional e sua projeção na Ásia Central, África e Extremo Oriente".

Os termos do negócio foram estabelecidos no sábado entre o grupo Bridas e a CNOOC International Limited, subsidiária da CNOOC. "Uma vez completado o acordo, Bridas e CNOOC International Limited terão uma participação acionária de 50% da Bridas Corporation e compartilharão o controle das decisões estratégicas e de gestão da sociedade", diz o comunicado.

A Bridas Corporation explora e produz hidrocarbonetos na Argentina, Bolívia e Chile, e desenvolve negócios em petróleo e gás em outras regiões, por meio de suas afiliadas. A Bridas descreve sua nova sócia como "uma das líderes do negócio petrolífero da Ásia, com ampla experiência na exploração e na produção costa afora, cujo plano estratégico de crescer em termos de produção e reservas na América Latina está alinhado com os objetivos da Bridas para suas operações na região".

O grupo chinês crê que o processo de compra será concluído em meados deste ano. "A transação está em linha com a estratégia de crescimento (da CNOOC), que consiste em ampliar o alcance da companhia na América Latina e criar as bases para um futuro crescimento na região e outros países", disse o grupo chinês em comunicado divulgado na Bolsa de Hong Kong.

Quando for concluída a compra, as reservas provadas mundiais da CNOOC vão aumentar em 318 milhões de barris e sua produção, em 46 mil barris/dia.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG