SÃO PAULO - A China - maior consumidora de minério de ferro do mundo - defendeu hoje a manutenção dos contratos de longo prazo na definição dos preços de insumos consumidos pela indústria siderúrgica. Segundo Jia Yinsong, superintendente para matérias-primas do Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China, o país deve resistir e se opor a qualquer remodelação do mecanismo de preço que vá contra à economia e às regras de mercado. A declaração segue a decisão da Vale de anunciar a seus clientes de todo o mundo um sistema de reajuste trimestral no preço do minério de ferro, em alternativa ao tradicional modelo que define um preço de referência válido para o período de um ano. O comunicado acompanhou um aumento de 114,38% no valor do minério produzido em Carajás para o segundo trimestre, como adiantou hoje matéria do Valor. De acordo com Yinsong, a definição de preços deve continuar sendo baseada nos mecanismos existentes. Ele também assinalou que a China tem esperança na continuidade das negociações dentro do modelo de longo prazo.

O país promete oposição a qualquer de monopólio no mercado.

"O ministério espera que os preços do minério de ferro continuem em um nível razoável", disse o Yinsong. Ao defender os contratos de longo prazo, ele apontou a necessidade de evitar grandes oscilações nos preços do insumo, assim como impedir especulações no mercado.

Sobre o assunto, a Vale disse hoje que só vai apresentar os resultados de seus esforços comerciais nas demonstrações financeiras trimestrais.

Em nota de esclarecimento, a maior produtora de minério de ferro do mundo afirma que já anunciou a aplicação de uma política comercial mais flexível com seus clientes, apesar de ainda não ter feito qualquer novo comunicado ao mercado de capitais sobre preços de seus produtos.

(Eduardo Laguna | Valor, com agências internacionais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.