Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

China e Taiwan reúnem-se em paralelo a Apec

Lima, 21 nov (EFE).- O representante de Taiwan no Fórum do Apec, Lien Chan, reuniu-se hoje com o presidente da China, Hu Jintao, em um hotel da capital peruana Lima, confirmaram à Agência Efe fontes da delegação taiuanesa.

EFE |

A reunião de Lien, ex-vice-presidente de Taiwan e presidente de honra do Kuomintang, partido nacionalista da ilha, com Hu não estava prevista e se trata da quarta reunião entre ambos os dirigentes desde 2005.

Ontem, durante a reunião do Fórum de Cooperação Ásia-Pacífico (Apec), na capital paruana, os ministros taiuaneses de Economia e Finanças deixaram aberta a possibilidade de contatos diretos entre ambas as "economias", como se denominam a si mesmos os 21 membros desta organização.

O ministro da Economia taiuanês, Yin Xiita, disse que "ambos os lados interagem no Apec, e se reúnem (dirigentes da China e de Taiwan) dependendo da agenda" do fórum, embora tenha se declarado "contente por poder trocar opiniões" com eles.

Uma das razões pelas quais este fórum não fala de países nem de presidentes ou chefes de Governo, mas de "economias" e de "líderes" é precisamente pela presença de Taiwan, que o Governo de Pequim considera como parte inalienável da China.

A China adquiriu um enorme papel, tanto nesta cúpula do Apec, por sua posição como grande potência econômica emergente, como no Peru, onde o presidente Hu realiza ainda uma visita oficial, na qual fechou as negociações um TLC com este país.

Hu e Lien reuniram-se pela primeira vez em 2005 e voltaram a fazê-lo em 2006 e em 2007.

A reunião de 2005 foi a primeira entre altos funcionários dos dois territórios em 60 anos devido à disputa gerada em 1949, quando os nacionalistas, derrotados pelo Exército Vermelho de Mao Tsé-Tung, se refugiaram na ilha de Formosa, liderados por Chiang Kai Chek.

Após aquele encontro, as duas partes emitiram um comunicado com cinco pontos de consenso cujo propósito foi "promover a paz e o desenvolvimento através do estreito de Taiwan".

A partir daí, iniciou-se um diálogo entre a China comunista e Taiwan, que Pequim, que considera a ilha uma província rebelde, enquanto Taiwan atua como estado soberano, sem o reconhecimento das Nações Unidas. EFE ei/jp

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG