Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

China anuncia pacote de medidas para estimular economia interna

Pequim, 9 nov (EFE).- O Conselho de Estado (Executivo) chinês anunciou hoje um investimento de US$ 586 bilhões até o final de 2010 para facilitar o investimento e o consumo interno, e fazer frente aos efeitos negativos da crise financeira internacional, informou hoje a rede de televisão CFTV.

EFE |

O número representa quase 20% dos US$ 3,3 trilhões do Produto Interno Bruto (PIB) da China em 2007.

A redução das restrições creditícias e de financiamento é para aumentar o investimento, em - segundo a agência oficial "Xinhua" - um esforço para enfrentar o contexto econômico internacional adverso, através do fomento da demanda interna.

A decisão, anunciada hoje pelo Conselho de Estado, foi aprovada após a reunião do Executivo na quarta-feira, presidida pelo primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao.

Em seu site, o Executivo chinês afirmou que a China adotará uma política fiscal pró-ativa.

A medida de estímulo da economia doméstica ocorre menos de uma semana antes de Wen ir a Washington, acompanhando do presidente chinês, Hu Jintao, para participar da cúpula do G20.

Neste sábado, no Brasil, o governador do banco central chinês, Zhou Xiaochuan, afirmou que a melhor maneira para estabilizar a economia chinesa é impulsionar a demanda interna.

Segundo o Executivo chinês, o investimento estatal será parte de um plano de estímulo econômico destinado a impulsionar o crescimento econômico.

Grande parte do investimento será destinada a infra-estruturas e à reconstrução na província de Sichuan, atingida por um terremoto.

Além disso, o Governo chinês desenvolverá a reforma do imposto ao valor agregado para reduzir a carga tributária das empresas.

O pacote de medidas destinadas a estimular a economia abrangerá até 2010 dez programas de impulso à vida da população, como casas para pessoas de baixa renda, infra-estruturas rurais, rede de transporte, meio ambiente, inovação tecnológica e reconstrução posterior aos desastres naturais.

O teto creditício dos bancos comerciais também será suprimido, a fim de canalizar mais empréstimos para projetos prioritários, no interior do país, em pequenas e médias empresas, inovação tecnológica, fusões e aquisições. EFE pc/an

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG