Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Chávez e Correa pedem unidade latino-americana ao inaugurar refinaria

Fernando Arroyo León El Aromo (Equador), 15 jul (EFE).- Os presidentes do Equador, Rafael Correa, e da Venezuela, Hugo Chávez, convocaram hoje a unidade latino-americana ao inaugurar a construção da Refinaria do Pacífico, um grande complexo petroquímico na província equatoriana de Manabí, no oeste do país.

EFE |

Os dois governantes assinaram, como testemunhas de honra, a criação da empresa de capital misto que levará adiante o projeto e que será constituída pela companhia petrolífera estatal equatoriana Petroecuador e Petróleos de Venezuela S.A. (PDVSA).

Correa e Chávez inauguraram, além disso, um Centro de Monitoração Ambiental, encarregado de minimizar o impacto ecológico na floresta de Pacoche, onde se encontra a localidade de El Aromo, o lugar onde será construído o complexo.

O projeto petroquímico, que estaria pronto em 2013 segundo as previsões, requereria um investimento de US$ 6,6 bilhões e seria administrado pela empresa de capital misto Refinaria do Pacífico, com uma participação de 51% da Petroecuador e 49% da PDVSA, disse Correa.

O complexo petroquímico e de refinaria terá uma capacidade para processar 300 mil barris de petróleo pesado equatoriano diários, tipo Napo, e permitirá produzir gasolina, diesel, óleo, cimento, agroquímicos e fibras.

Chávez disse que o complexo em Manabí presumirá um exemplo de integração para a América Latina e permitirá ao Equador exportar derivados de petróleo e pôr fim às importações, que agora lhe geram despesas em torno de US$ 3 bilhões anuais.

"Não podemos perder a esperança" dos povos latino-americanos, disse, ao apontar que o projeto no Equador faz parte de um "círculo geostratégico" impulsionado pela Venezuela para desenvolver a integração energética regional.

Ele mencionou a construção de uma refinaria na Nicarágua, de outros projetos petrolíferos no Brasil e na Argentina, assim como a constituição da Petrocaribe.

O presidente venezuelano pediu a Correa para formar uma unidade petrolífera para criar a Petroandina, que começaria com a inclusão da Petroecuador e PDVSA, mas que teria como objetivo integrar as petrolíferas da Colômbia, do Peru e, eventualmente, da Bolívia, se fosse comprovada a existência de petróleo em seu território.

A Venezuela, disse Chávez, tem a maior reserva petrolífera do mundo, que poderia durar 400 anos de acordo com cálculos, e ele ofereceu compartilhá-la pela integração energética regional.

"Não podemos decretar aos povos" no presente e no futuro, declarou Chávez, após convidar Correa para visitar em breve a faixa petrolífera de Orinoco, onde a Petroecuador pretende explorar, em aliança com a PDVSA, o campo Ayacucho V.

Correa agradeceu o "apoio solidário" da Venezuela no desenvolvimento do setor petrolífero do Equador e assegurou que o Governo de Chávez, apesar de ser o que menos precisa de uma integração energética pelo imenso potencial de suas reservas, é "o que mais impulsiona" essa unidade latino-americana.

O chefe de Estado equatoriano lembrou que o Equador, apesar de ser um produtor petroleiro, importa derivados por US$ 3 bilhões anuais, por isso afirmou que a Refinaria do Pacífico lhe permitirá economizar uma grande parte desses recursos que hoje são gastos para comprar gasolina.

Segundo Correa, quando o projeto entrar em funcionamento, em 2013, o Equador poderia economizar aproximadamente US$ 1,5 bilhão ao ano, que poderia ser investido em setores como educação, saúde e infra-estruturas básicas, entre outros.

A intenção é que os projetos sirvam para "melhorar o bem-estar" da população e "alcançar, definitivamente, o desenvolvimento", disse.

Correa concordou com Chávez em que a refinaria construída por eles no Equador deveria levar o nome de Eloy Alfaro, um caudilho da revolução liberal do Equador no final do século XIX e que é considerado como o personagem histórico mais proeminente do país.

Finalmente, os dois governantes cortaram uma fita que, simbolicamente, representava a inauguração da construção do projeto.

EFE fa/bm/db

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG