O núcleo industrial de Três Lagoas, na região leste de Mato Grosso do Sul, divisa com o Estado de São Paulo, não tem mais espaço para novas fábricas. Com área de 400 hectares, o núcleo industrial tem 70% de sua área tomada por empresas já construídas e em funcionamento e outros 30% concluindo os trâmites normais para iniciar as obras.

O núcleo industrial de Três Lagoas, na região leste de Mato Grosso do Sul, divisa com o Estado de São Paulo, não tem mais espaço para novas fábricas. Com área de 400 hectares, o núcleo industrial tem 70% de sua área tomada por empresas já construídas e em funcionamento e outros 30% concluindo os trâmites normais para iniciar as obras. A Petrobras é uma das primeiras empresas a construir no novo núcleo e "será uma fábrica de fertilizantes, uma das maiores, senão a maior do mundo", segundo garantiu na semana passada o presidente da estatal, Sérgio Gabrielli. Boas perspectivas aumentam as expectativas. A Petrobras já escolheu a área de 500 hectares. Também foi aberto espaço para mais 15 empresas misturadoras, que darão suporte para a Petrobras, como terceirizadas. O terreno foi doado pelo Estado e pela Prefeitura de Três Lagoas. Os investimentos estão em pouco mais de US$ 2 bilhões, e ocuparão mão de obra de 8 mil trabalhadores. Outro grande empreendimento, vizinho da futura fébrica da Petrobras, erguido na área destinada para indústrias é o Projeto Eldorado, ligado à Florestal Brasil e à Votorantim Celulose e Papel. A unidade da Fibria começou a operar em 30 de março e teve um investimento de R$ 3,8 bilhões. A fábrica tem capacidade para produzir 1,3 milhão de toneladas de celulose branqueada por eucalipto por ano, é autossuficiente em energia e usa como fonte primária a biomassa. Diariamente, mais de três mil toneladas de celulose são transportadas via ferrovia até Santos (SP) onde a Fíbria possui um terminal exclusivo. "Junto com a Fíbria e a International Paper, estamos transformando o município no maior polo de celulose da América Latina, senão do mundo", diz o empresário Mário Celso Lopes, do Grupo Eldorado, que completa: "Nós já investimos aqui na região em plantio de floresta de eucalipto há aproximadamente quatro anos e, quando se pensa em abrir uma empresa de celulose, você já precisa ter uma história de floresta madura para poder implantar um projeto dessa natureza." Segundo técnicos da prefeitura, estão sendo tomados vários cuidados para evitar danos ao meio ambiente. Além de fiscalização, há uma distância entre as novas fábricas e o centro urbano e foi criada uma nova empresa, a Central de Tratamento de Resíduos Sólidos Industriais (Cetric), que ficará responsável por processar os resíduos das diversas indústrias localizadas em Três Lagoas. A empresa, que fará o transporte e o armazenamento de diversos resíduos industriais, está instalada a 90 quilômetros do centro da cidade. Entre as atividades da empresa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.