O crescimento da Região Centro-Oeste passa, agora, pelo aumento da verticalização. Um bom exemplo dessa mudança vem de Mato Grosso, que, em 2002, exportou US$ 1,7 bilhão e, no ano passado, fechou as vendas externas com US$ 8,5 bilhões, um salto de 373%.

O crescimento da Região Centro-Oeste passa, agora, pelo aumento da verticalização. Um bom exemplo dessa mudança vem de Mato Grosso, que, em 2002, exportou US$ 1,7 bilhão e, no ano passado, fechou as vendas externas com US$ 8,5 bilhões, um salto de 373%. Neste mesmo período, o Produto Interno Bruto (PIB) estadual cresceu de forma expressiva, mas em volume menor, em 75,7%. "A maior diferença no aumento das exportações ocorreu no crescimento dos produtos de maior valor agregado", disse o secretário de Indústria e Comércio do Estado de Mato Grosso, Pedro Nadaf. O secretário citou, como exemplo, o complexo da Sadia em Lucas de Rio Verde. O total do investimento previsto na ampliação do complexo é de R$ 800 milhões e a capacidade de produção deve chegar a 800 mil frangos/dia e 4 mil frangos/dia. Nadaf também destacou o crescimento expressivo no Estado da produção de biodiesel. Em 2002, havia apenas uma usina em Mato Grosso e, hoje, há 23 em funcionamento. A produção local é a segunda maior do Brasil, com 24% do total do País, superada apenas pelo Rio Grande do Sul, com 26%. O terceiro colocado, Goiás, com 21%, também fica no Centro-Oeste. Algodão. Outro setor citado foi o de algodão. A Vicunha anunciou a instalação de uma fábrica em Cuiabá. A escolha da cidade ocorreu por causa da proximidade da principal matéria-prima, já que Mato Grosso é o maior produtor brasileiro de algodão. A indústria, que deve entrar em funcionamento em três anos, terá capacidade para processar 65 mil toneladas de algodão e produzir 72 milhões de metros de tecidos por ano. O investimento previsto é de R$ 350 milhões. A secretária de Desenvolvimento da Agricultura, Produção, Industrial, Comércio e Turismo de Mato Grosso do Sul, Tereza Cristina Correa da Costa, destacou que o desenvolvimento da economia em seu Estado passa mais pelo incentivo à produtividade do que na expansão da área de plantio. Ela citou os investimentos feitos para facilitar a atuação dos produtores, como o programas de tratamento fiscal diferenciado, entre os quais o MS Empreendedor. Segundo a secretária, o Estado dispõe para 2010 de R$ 4,2 bilhões do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.