Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Centrais sindicais criticam alta de juros

Brasília - A decisão de aumentar em 0,75ponto porcentual a taxa básica de juros, tomada nesta quarta-feira (23) pelo Comitê de Política Monetária (Copom), desagradou algumas das principais centrais sindicais do País.

Agência Brasil |

 

Em nota, a Central Única do Trabalhadores (CUT) destaca que as altas taxas básicas de juros são contrárias aos interesses da classe trabalhadora, porque o aumento não tem efeito sobre o combate à inflação e que servirá para penalizar ainda mais os assalariados. Contra a inflação, defendemos menos especulação, menos juros e mais produção, diz a nota.

A pressão inflacionária sobre os alimentos, que penaliza muito mais os assalariados, deve ser combatida com o fortalecimento do apoio à agricultura familiar, por meio da ampliação da oferta e dos prazos do crédito, garantia de preços mínimos e de assistência técnica, entre outras medidas. Outra frente de combate deve se dar sobre setores que especulam, seja por intermédio de contenção de estoques ou de elevação de preços chamada de 'preventiva', que nada mais é que apostar em inflação futura, defende o presidente nacional da CUT, Artur Henrique.

Com o objetivo explícito de desacelerar a economia, essa política comprime nosso potencial e atenta contra a manutenção do ciclo de crescimento sustentado. Atrapalha, inclusive, a ampliação da oferta de alimentos e pouca eficácia tem contra a pressão inflacionária sobre o setor, já que as principais causas vêm do mercado externo, assinala a CUT.

Também por meio de nota, a Força Sindical manifesta repúdio ao aumento, classificando-o de cavalar. A medida é impopular porque de imediato vai dificultar a campanha salarial de cerca de 3,5 milhões de trabalhadores que já estão negociando reposição das perdas e aumento real de salário com os patrões. Ao mesmo tempo dificulta o investimento das empresas na produção."

Para a Força Sindical, se o governo quer combater a inflação tem de incentivar o aumento da produção de alimentos e reduzir os impostos dos produtos da cesta básica.

Leia mais sobre: Selic

Leia tudo sobre: jurojurosselic

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG