Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Cena externa segura Bovespa em território negativo; dólar sobe

SÃO PAULO - A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) tem um pregão instável nesta quinta-feira. Depois de cair mais de 1% durante a manhã, as vendas perderam força, mas o Ibovespa ainda recuava 0,18% por volta das 13h30, apontando 57.436 pontos. O giro financeiro estava em R$ 2,02 bilhões.

Valor Online |

 

Em Wall Street, os índices operam em baixa, reagindo à elevação nos pedidos por seguro-desemprego nos EUA e às fracas vendas no varejo. Há pouco, o Dow Jones perdia 1,23%, enquanto o Nasdaq recuava 0,35%.

O economista-chefe da consultoria UpTrend, Jason Vieira, disse que dados díspares sobre a economia norte-americana mantêm os investidores retraídos nesta quinta-feira. Enquanto o relatório de emprego apontou retração do mercado de trabalho nos EUA, um índice do mercado imobiliário sinalizou aumento na venda de casas.

"Os agentes também observam um sinal pouco usual proveniente do mercado de câmbio e commodities. Normalmente, quando o petróleo e outras commodities ganham valor, o dólar cai ante o euro e a libra, mas hoje os dois ativos sobem juntos. Falta direcionamento. O mercado não sabe, efetivamente, para onde ir", resume.

O economista observou que esse alta nas matérias-primas dá fôlego às ações da Petrobras e Vale, que seguram uma queda mais acentuada do índice.

Há pouco, o papel PN da Petrobras avançava 2,79%, para R$ 34,23. Ganho também para as ações da Vale. Há pouco, a ação PN subia 1,17%, para R$ 37,14. Na noite de ontem, a mineradora reportou lucro líquido de R$ 4,57 bilhões para o segundo trimestre do ano.

O resultado ficou 21,7% menor no comparativo anual, refletindo perdas financeiras. Em termos operacionais, a companhia superou as expectativas do mercado. Em relatório, a Brascan Corretora reiterou sua recomendação ´outperform´ para o papel, com preço justo de R$ 74,09.

Jason Vieira nota que fica a dúvida quanto à economia norte-americana, que não está em recessão, mas também não cresce.

Um das convicções do economista dentro desse cenário de incerteza é que o Federal Reserve (Fed), banco central norte-americano, terá que subir a taxa básica de juros pelo menos uma vez até o final do ano. "Vai ser, basicamente, uma tentativa de fortalecer o dólar", diz o especialista.

Com tal movimento, acrescenta, o Fed também garante que o preço das commodities não volte a subir. "O Fed consegue deter a inflação norte-americana segurando a inflação global, ele tem força para isso", comentou.

De volta ao âmbito corporativo, as siderúrgicas passam por realização de lucros depois dos ganhos acumulados nas últimas sessões. CSN ON perdia 2,41%, para R$ 56,50, e Gerdau ON recuava 2,73%, para R$ 31,24.

Queda acentuada para Gol PN, de 8,57%, para R$ 16,96. Além da alta do petróleo, o papel reflete o anuncio da companhia, que suspendeu o pagamento de dividendos trimestrais até o final do ano. Ainda no setor, TAM PN recuava 5,03%, para R$ 33,02.

Perdas também para ação PN da TIM, de 4,75%, para R$ 3,81. A ação ON caía 4,77%, para R$ 5,19. A operadora fechou o segundo trimestre com prejuízo de R$ 34,06 milhões. Em igual período do ano passado, a empresa tinha lucrado de R$ 33,98 milhões.

Dólar

No câmbio, as vendas observadas na abertura não se sustentaram. Segundo operadores, o fluxo de saída segue forte e o investidor estrangeiro ainda reduz sua posição vendida no mercado futuro. Por volta das 13h30, o dólar apresentava valorização de 0,88%, para R$ 1,592 na venda.

Leia também:

 

Leia mais sobre Bovespa - dólar

Leia tudo sobre: bovespadolar

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG