Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Celular não substitui navegador GPS

Celular não substitui navegador GPS Por Jocelyn Auricchio e Filipe Serrano São Paulo, 26 (AE) - A dinheirama gasta com um GPS para carros até pode ser economizada se você comprar um celular que já venha com antena de recepção de sinais de satélite e software de navegação instalado. Mas, acredite, o luxo do GPS automotivo ainda é recompensador.

Agência Estado |

Os celulares ainda têm muito a evoluir para que possam substituir os navegadores para carros.

Primeiro, o software de navegação - que serve para guiá-lo em um mapa 3D - não é gratuito nem para os celulares que já vêm com um receptor GPS, como o iPhone e smartphones parrudos da HTC. Alguns já têm o programa instalado, mas é preciso pagar pela licença. Para fazer o teste, escolhemos quatro modelos bem diferentes.

Dos testados, o único que tem uma licença de software gratuita é o Q11 da Motorola. Para o Touché, da Elef, o programa custa R$ 399. Nos celulares Nokia, que usam o programa Nokia Maps, o preço do software é de R$ 190 por um ano. Já no W760 sai por US$ 30 (cerca de R$ 72) por ano.

Um grande problema em todos eles é a falta de suporte de pára-brisa. Não é nada seguro dirigir com um celular na mão e ainda há o risco de levar uma bela multa se o policial entender que você está falando ao telefone.

Além disso, os celulares dependem da transmissão de dados para que os programas de navegação se conectem à web via rede de telefonia celular para baixar os mapas ou comprar as licenças. Resultado: gastos extras no fim do mês.

Apesar das ressalvas, o aparelho que se saiu melhor no teste foi o smartphone Touché, do fabricante brasileiro Elef. A tela é grande o suficiente para ver um mapa em 3D e ainda pode ser virada na horizontal, o que facilita bastante a visualização e a digitação de endereços. Na vertical, os botões do teclado ficam espremidos demais.

Tanto o Touché quanto o N95 e o Q11 traçaram rotas boas até os endereços de destino, com exceção de um trajeto que entrou na Avenida Morumbi por uma rua que tinha um cruzamento perigoso demais. O Touché e o N95 também corrigiram os trajetos em pouco tempo ao se desviarem do caminho original, coisa que o Q11 demorou para fazer. O principal problema do Touché, e de todos os celulares testados, foi a lentidão do hardware em acompanhar a posição no mapa.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG