Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

CE aprova plano dinamarquês para restaurar confiança no mercado

Bruxelas, 10 out (EFE) - A Comissão Européia (CE) aprovou hoje o plano proposto pela Dinamarca para restaurar a confiança em seu mercado financeiro, que inclui medidas para fornecer liquidez aos bancos e garantir as poupanças dos clientes.

EFE |

Em comunicado, o Executivo da União Européia (UE) assegurou que as ações notificadas pelas autoridades dinamarquesas na quarta-feira são compatíveis com as normas do bloco sobre ajudas de Estado e são "a forma mais apropriada para combater o risco de um grave impacto na economia" do país.

O Governo dinamarquês concordou em oferecer uma garantia total a todos os depósitos e aos detentores de obrigações através de um fundo misto ao qual contribuirão o Estado e os próprios bancos.

Além disso, aprovou criar um sistema de garantias durante dois anos para que todas as entidades dinamarquesas e estrangeiras com atividades no país possam ter acesso a créditos interbancários e obter liquidez, e iniciou um plano para liquidar bancos não solventes.

Segundo a CE, o plano de Copenhague restringe "ao mínimo" as possíveis distorções da concorrência no mercado graças a um "efetivo sistema de salvaguardas".

Concretamente, a Comissão destaca que o sistema de garantia dinamarquês está limitado às instituições saudáveis e que esteja aberto a todos os bancos que operam no país, e não só aos dinamarqueses.

Além disso, lembra que as entidades que recorrerem ao plano do Governo não poderão se aproveitar deste para ampliar suas atividades e que terão que indenizações economicamente o Estado por seus avais.

"O esquema dinamarquês, após as mudanças que pedi, é um exemplo excelente do tipo de intervenção que pode reforçar os mercados financeiros sem agravar a situação em outros países", assegurou em uma nota a comissária européia de Concorrência, Neelie Kroes.

A CE aprovou este plano sob o novo procedimento simplificado que iniciou para acelerar as decisões sobre as medidas dos Governos para enfrentar a crise financeira. EFE mvs/db

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG