Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

CDES pede a Lula suspensão da taxa Selic

BRASÍLIA ¿ O ex-governador do Rio Grande do Sul e membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), Germano Rigoto, afirmou nesta sexta-feira que o CDES sugeriu ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva a suspesão do aumento da taxa Selic (taxa básica de juros da economia) para minimizar os efeitos da crise econômica internacional sobre o Brasil.

Carollina Andrade - Último Segundo/Santafé Idéias |

Segundo o Conselheiro, o fim do aumento da taxa de juros deve ser adotado à partir da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central que irá acontecer na próxima semana. O objetivo desta reunião é discutir a definição da taxa Selic, que está em 13,75%.

Informamos ao presidente Lula que deve haver imediatamente uma suspensão do aumento da taxa de juros, porque hoje nós temos uma situação bem diferente das reuniões do Copom passadas, aonde tinha ameaças de inflação. Hoje é o contrário, então não tem porque ter aumento de juros.

Questionado sobre o que o presidente teria dito em relação ao pedido do CDES, Rigoto afirmou que Lula recebeu de forma positiva a colocação do Conselho. Ele [Lula] recebeu bem nossa colocação, mas vocês sabem que em política monetária e reunião do Copom nem o ministro Mantega pode antecipar o resultado, acrescnetou.

Durante a reunião, os conselheiros do CDES entregaram uma moção ao presidente com sugestões para enfrentar os efeitos da crise econômica internacional.  O CDES defende um "entendimento nacional" entre as esferas de governo, parlamento, empresários, trabalhadores e organizações  sociais com o objetivo de proteger o desenvolvimento econômico com mais igualdade, geração de emprego e distribuição de renda. O CDES é formado por 13 ministros e 90 representantes da sociedade civil.

Participaram da reunião o ministro da Secretaria de Relações Institucionais, José Múcio Monteiro (que também é secretário-executivo do CDES), e os conselheiros Antoninho Trevisan (empresário); Clemente Ganz Lúcio (diretor do Dieese); Germano Rigotto (ex-governador do Rio Grande do Sul) ; José Lopes Feijóo (líder sindical); Paulo Godoy (líder empresarial) e Zilda Arns (coordenadora da Pastoral da Criança).

Leia tudo sobre: juros lula

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG