Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Casa Branca defende plano de estímulo econômico

Segundo Congresso, foram criadas ou mantidas 3,3 milhões de vagas de emprego após o pacote

EFE |

Washington (EFE) - A Casa Branca informou ontem que o plano de estímulo econômico, avaliado em mais de US$ 800 bilhões, progride de acordo com os prazos traçados e serviu para criar ou conservar 3,3 milhões de postos de trabalho até o momento. Em um relatório divulgado nesta sexta-feira, o Governo dos Estados Unidos afirma que, até o fim de setembro, o plano já cumpriu 70% dos seus objetivos. Cerca de US$ 308 bilhões foram destinados a diferentes projetos e US$ 243 bilhões a cortes tributários.

O Executivo destacou que o plano foi vital para que o país saísse da recessão econômica, mas, um ano e meio depois, sofre com forte impopularidade. De acordo com o Governo, grande parte dos fundos do plano foi destinada a obras de infraestrutura, pois um em cada quatro postos de trabalho que foram perdidos durante a recessão correspondia ao setor de construção, que conta com muitos empregados de origem latina.

Segundo o Escritório de Orçamento do Congresso, o plano de estímulo contribuiu para criar ou manter 3,3 milhões de empregos e para elevar o Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre do ano em 4,5%. Apesar disso, os congressistas republicanos se comprometeram em seu programa eleitoral a cancelar o plano e destinar o dinheiro que ainda não foi gasto a outros projetos.

Entre outras críticas, a oposição republicana reprova o plano por ele não ter reduzido a taxa de desemprego, que atualmente é de 9,6%. Quando foi aprovado, a Casa Branca prometeu que ele reduziria essa taxa para 8%.

Ao apresentar o relatório, o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, admitiu que o plano de estímulo não é popular em seu conjunto, mas que "às vezes é preciso tomar medidas que não são populares em seu conjunto". "Se nos guiássemos pela popularidade, suspeito que estaríamos em uma nova Grande Depressão", acrescentou, referindo-se aos efeitos da crise econômica mundial iniciada em 1929.

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG