Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Casa Branca defende acordo com Congresso sobre ajuda a automobilísticas

WASHINGNTON- A Casa Branca espera conseguir um acordo com o Congresso esta semana para liberar as negociações sobre a forma de resgatar a indústria automotiva, apesar da insistência democrata em aprovar um novo plano de empréstimos para o setor, afirmou nesta terça-feira a porta-voz Dana Perino. Ela lembrou que o Congresso já aprovou em setembro um plano de US$ 25 bilhões, dirigido pelo Departamento de Energia americano (DOE).

EFE |

"Certamente que continuamos esperançosos em encontrar uma solução bipartidária. Achamos que já temos uma solução bipartidária, onde o dinheiro já foi aprovado para ajudar as fabricantes de automóveis" através do programa do DOE, destacou.

A porta-voz assegurou que a Casa Branca continuará as negociações com os líderes do Congresso para ver se podem "forjar um acordo" esta mesma semana.

O Governo americano coincide com os democratas em que a General Motors (GM), Ford e Chrysler precisam de sua ajuda para evitar a falência, mas diferem amplamente em torno da fonte desse auxílio.

Os democratas estão impulsionando um novo plano de empréstimos de até US$ 25 bilhões, cujo valor proviria do plano de resgate financeiro de Wall Street de US$ 700 bilhões que o Congresso aprovou em outubro.

No entanto, o presidente George W. Bush, assim como muitos republicanos no Legislativo, rejeita a idéia de ajudar empresas alheias ao setor financeiro como parte do pacote de ajuda a Wall Street.

Segundo Perino, o chamado "programa de empréstimos 136" do DOE poderia ser alterado de forma que permita agilizar a entrega de fundos às companhias que "possam demonstrar viabilidade".

Essa solução seria "muito lógica e muito razoável", mas talvez seja tão simples "que as pessoas verdadeiramente não possam fazer idéia", afirmou.

"Simplesmente não achamos que devemos fornecer os US$ 25 bilhões que já estão sobre a mesa e outros US$ 25 bilhões, a menos que as companhias possam nos demonstrar que têm um plano a longo prazo para sua viabilidade", ressaltou a porta-voz.

As duas Câmaras do Congresso realizam hoje audiências para examinar a crise econômica e como solucioná-la.

Além disso, os principais executivos do setor do automóvel e o líder de seu sindicato de trabalhadores irão esta tarde ao Comitê dos Bancos do Senado para expor sua precária situação e pressionar o Congresso a estender a mão.

O líder da maioria democrata da Câmara Alta, Harry Reid, disse que, apesar da oposição republicana, tentará submeter à votação amanhã uma extensão dos benefícios de desemprego e ajudas para a indústria automotiva.

Leia tudo sobre: eua

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG