Publicidade
Publicidade - Super banner
Carreiras
enhanced by Google
 

Tesouro Direto garante boa rentabilidade com baixo risco

Entenda como investir o salário em títulos do governo. Aplicações podem ser feitas a partir de R$ 100

Rachel Sciré |

Realizar investimentos durante a crise dos mercados financeiros pode ser complicado, mas o Tesouro Direto surge como saída recomendada por especialistas. É a aplicação mais adequada para o cenário atual da economia, afirma Eduardo Paiva, professor que ministra cursos sobre o assunto na Associação Nacional das Instituições do Mercado Financeiro (Andima).

Oferecido pelo Tesouro Nacional, em parceria com a Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC), o Tesouro Direto é um programa de venda de títulos a pessoas físicas. Ele é formado por ativos de renda fixa do governo, vendidos para arrecadar recursos e financiar a dívida pública.

A aplicação em títulos públicos compete com as demais opções de renda fixa existentes no mercado. Porém, as taxas de administração e de custódia são baixas e o Imposto de Renda só é cobrado no momento da venda, do crédito dos cupons de juros semestrais ou no vencimento do título. Além disso, o investimento é garantido pelo governo, uma vez que o devedor é o Tesouro Nacional.

Foram essas características que atraíram o consultor de informática Eduardo Oliveira, 47 anos, para esse tipo de aplicação. Eu já possuía outros tipos de investimentos, como ações ou renda fixa, mas queria maior rentabilidade e menor risco, diz.

O episódio da liquidação extrajudicial do Banco Santos, em 2005, demonstrou para Oliveira que os fundos de renda fixa não eram tão seguros quanto aparentavam. O dinheiro investido virou pó e ele só resgatou 10% do que tinha aplicado. Além disso, minhas experiências mostraram que o Tesouro Direto rende mais do que os outros investimentos de renda fixa, conta Oliveira.

Como investir ¿ O professor da Andima ensina que o primeiro passo é definir um objetivo e atrelar a ele o prazo dos títulos. No caso de Oliveira, os investimentos no Tesouro são mantidos desde 2003, com a intenção de guardar dinheiro para a aposentadoria. Eu não fico especulando, os meus investimentos são todos a longo prazo, conta.

Já para quem pensa em entrar no Tesouro para conseguir comprar um carro, por exemplo, vale a pena escolher um papel com vencimento próximo. De qualquer forma, a opção da recompra dos papéis é oferecida toda quarta-feira, pelo seu valor de mercado, o que torna desaconselhável o resgate antes do prazo final.

O investidor deve então procurar um banco ou uma corretora (Confira aqui a lista de instituições autorizadas) para se cadastrar no site do Tesouro Direto. Todo processo de aplicação é feito pela Internet e o próprio comprador decide qual papel deseja. É importante ter uma perspectiva do que irá acontecer com a economia, diz. Além disso, Paiva reforça um conselho frequente dos analistas de mercado: é importante diversificar as formas de investimento.

Opções de títulos - No Tesouro Direto, o investidor pode escolher as modalidades pré-fixados ou pós-fixados. No primeiro caso, a rentabilidade é definida no momento da compra. O título NTNF010110, por exemplo, pagará 15,65% de juros anuais aos seus aplicadores. Já no segundo caso, os títulos são atrelados a um indexador (IPCA, IGP-M, Selic) mais um prêmio de juros: o título NTNB150810, por exemplo, paga 9,87% de juros anuais mais a variação da IPCA.

Como em qualquer investimento, a decisão entre investir em papeis pré ou pós-fixados depende do objetivo da aplicação e do cenário econômico. Papéis pré-fixados embutem uma aposta de que no período da aplicação os juros de mercado serão mais baixos do que os pagos pelo título. Aplicações em papéis pós-fixados buscam uma segurança, pois a rentabilidade está atrelada a um indexador que deverá refletir os humores do mercado.  

Na opinião de Paiva, a grande vantagem desse investimento é que, mesmo com uma pequena aplicação, a remuneração pode ser boa. Dá para colocar o dinheiro que sobrar do 13º, sugere o professor. O Tesouro permite que os associados façam aplicações a partir de R$ 100. Eu tento todo mês aplicar, pelo menos, 10% do meu salário, exemplifica Oliveira. 

Leia mais:

Tesouro Direto é alternativa para aplicar saldos do salário

Leia tudo sobre: ig empregossalários ig empregos

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG