Tamanho do texto

Conclusão é do Observatório do Emprego

São Paulo ¿ Em fevereiro deste ano foram geradas, no Estado de São Paulo, 80.662 novas vagas formais de trabalho, ante 51.159 em janeiro. Os setores que mais contribuíram para esse cenário foram indústria de transformação (27.299 vagas), educação (12.716), construção (10.362) e administração pública, defesa e seguridade social (7.442). Essas quatro atividades representam 72% do total de novas vagas. 

Os dados foram apontados pelo Observatório do Emprego e do Trabalho, ferramenta que analisa mensalmente o comportamento do mercado de trabalho paulista, gerenciada pela Secretaria Estadual do Emprego e Relações do Trabalho (Sert) em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo (Fipe/USP).

As 80.662 novas vagas registradas no Estado de São Paulo representam 39% dos 209.425 postos de trabalho criados em todo o País. Em janeiro, a participação de São Paulo foi de 28%.

Saldo negativo - A atividade econômica agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aqüicultura foi a única que registrou saldo negativo de vagas.

A indústria - que teve o melhor desempenho em fevereiro de 2010, entre todas as atividades analisadas - foi o setor que mais contribuiu para o saldo negativo de 95 vagas no Estado em fevereiro de 2009, quando foram extintos 27.354 postos nessa área.  

Entre as ocupações com os maiores números de contratações em fevereiro estão alimentadores de linhas de produção (5.283 vagas), ajudantes de obras civis (4.356) e escriturários em geral, agentes, assistentes e auxiliares administrativos (3.967 vagas). Elas responderam por aproximadamente 30% de todo o crescimento do emprego formal e estão ligadas aos setores com melhor desempenho ¿ indústria, construção e administração pública, defesa e seguridade social.  

Ensino Superior - Jovens de até 24 anos de idade preencheram mais da metade das vagas (53,8%) criadas em fevereiro no Estado, ante 58,9% em janeiro. As mulheres ocuparam 40,8% dos novos postos, percentual superior ao observado no mês anterior (26%).

Quase metade das novas vagas (48,5%) foram ocupadas por trabalhadores com Ensino Médio completo, contra 64,7% em janeiro. Por outro lado, aumentou a participação de pessoas com Ensino Superior completo. Em janeiro, os trabalhadores com esse perfil responderam por 18,9%, e em fevereiro a taxa saltou para 28,5%.  

Regiões - As únicas regiões que apresentaram saldo negativo de postos de trabalho em fevereiro foram Barretos (-2.573), Central/Araraquara/São Carlos (-1.216) e Santos (-307). A Região Metropolitana de São Paulo registrou o melhor desempenho, com 36.823 novas vagas, seguida pelas regiões de Campinas (13.792), São José do Rio Preto (9.760) e Ribeirão Preto (7.136).

Salários - O salário médio dos trabalhadores admitidos no Estado de São Paulo em fevereiro foi R$ 922, o que representa uma queda de 5,4% em relação ao mês anterior. O maior valor foi registrado na Região Metropolitana de São Paulo (R$ 1.016) e, o menor, na de Barretos (R$ 580).

Das 15 regiões, apenas a de Registro apresentou aumento no salário (5,7%). Das 14 regiões com redução, as que registraram quedas mais acentuadas foram Barretos (-22,2%), Araçatuba (-8,6%), Região Metropolitana de São Paulo (-6,3%) e Ribeirão Preto (-6%).

O Observatório do Emprego e do Trabalho analisa mensalmente o desempenho do mercado de trabalho no Estado de São Paulo, nas 15 regiões administrativas e em cada um dos 645 municípios paulistas.

A íntegra do Boletim de fevereiro pode ser acessada no site do Observatório do Emprego .

Leia mais sobre empregos

Siga o iG Empregos no Twitter

Receba as atualizações do iG Empregos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.