Publicidade
Publicidade - Super banner
Carreiras
enhanced by Google
 

Qual o momento ideal para mudar de emprego

Consultores avaliam quando é a hora de acertar os ponteiros ou buscar novas oportunidades

Andrea Giardino |

Se você acorda de manhã sem vontade de trabalhar, fica o dia inteiro olhando para o relógio querendo que as horas passem logo ou não vê perspectivas de ascensão na empresa, preste atenção. Caso esses sintomas se prolonguem por dias e meses, talvez seja o momento de tirar o currículo da gaveta e sair em campo.

Mas qual a hora certa de mudar de emprego? Apesar de o dilema ser comum, poucos sabem identificar quando ir em busca de novos rumos, diz Julio Cardozo, consultor de gestão e carreiras da Julio Cardozo & Associados. Mudanças sempre provocam uma reação de medo frente ao desconhecido.

Por isso, ele recomenda, antes de qualquer decisão, fazer uma profunda reflexão. Inicialmente, deve-se ponderar se a companhia oferece condições de crescimento na carreira e a possibilidade de assumir novos desafios. Se isso não acontece, Cardozo aconselha o profissional a avaliar se já evoluiu o suficiente ou deve investir na concretização de seus objetivos.

Agora, se a sensação é de não ter mais o que aprender ou contribuir, acerte os ponteiros de seu relógio profissional e descubra se o melhor caminho é correr atrás de novas experiências, ressalta. Ampliar os horizontes, pondera, é a saída para quem não deseja estagnar. Aqueles que almejam uma trajetória de sucesso precisam identificar a hora certa para mudar e não ter receio de arriscar. 

Insatisfação com o salário - E quando você descobre que não recebe aumento há algum tempo ou o salário nunca dá para cobrir as despesas? Certamente, está na hora de pensar em outra alternativa, diz Cardozo. De acordo com o consultor, dois fatores levam à insatisfação com dinheiro. O primeiro é quando o profissional não ganha o suficiente para ter condições mínimas (de acordo com a sua análise); e o segundo é quando ele sente necessidade de progredir, elevando seu padrão atual de vida.

Para Malú Giacomazzi, consultora da Career Center, empresa que atua na área de orientação de carreira, deve-se refletir se o desejo de mudança é real ou está contaminado pelas tendências do mercado. Vivemos numa época em que não se faz mais carreira na mesma companhia e que a média de permanência do mesmo emprego é de quatro anos, explica. 

Leia também:

Insatisfação contribui para mudança de área

 

Leia tudo sobre: ig empregosig empregos carreira

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG